domingo, 2 de maio de 2021

 


Abril passou num sopro...! Fez-se valer do seu ditado popular mas, mesmo não trazendo grandes dias de sol, marcou uma nova fase deste ano para todos nós, a promessa de tempos melhores e os primeiros momentos da doce liberdade.


Será difícil olhar para a minha decoração e não descobrir de imediato que sou fã de andorinhas. Gosto das suas silhuetas mas também da sua simbologia de liberdade com regresso a casa. Costumam também ser oferecidas quando alguém que estimamos entra numa nova etapa da sua vida — por representar um voo, uma nova viagem mas também para recordarmos que tem sempre uma casa, um lugar confortável, para onde regressar a cada novo voo. É de uma sensibilidade, uma poesia, que me comove sempre.
 
Talvez seja por isto que eu adoro tanto este colar. Primeiro, pelo seu minimalismo, como já é habitual em todas as minhas bijuterias. É uma andorinha pequena e muito simples, que se juntou à minha coleção de acessórios numa fase muito simbólica, onde também eu me encontro a voar. Obrigada, Diogo!


Depois de quase uma década de companheirismo, dei uma reforma aos meus óculos e comprei uns novos. Sinto que o que vou dizer será absurdo para muita gente, mas sinto-me como se estivesse numa folha em branco, numa nova temporada.
 
Era algo que já queria fazer há algum tempo mas, como vocês já imaginam, eu tinha uma ideia muito definida do que queria: manter o modelo quadrado, de massa e com uma armação mais clara e translúcida. Essencialmente, este último ponto é o que realmente os diferencia dos antigos. Como sou loira, branca e de olhos claros, sinto que a armação escura que tinha pesava muito no meu rosto por ser um contraste muito forte. Optei por um tom mais claro e em cobre, que fica mais harmonioso no meu rosto e também mais leve.

Não tenho rosto de óculos e não gosto de me ver com óculos, mas é bom sentir que tenho uma nova imagem, mais próxima das minhas preferências atuais e desta fase de vida. Sinto que serão mais uns companheiros de guerra.


Um outro detalhe novo nestes óculos é que as lentes já têm um filtro protetor da luz azul dos ecrãs. Nunca tinha aderido a estas lentes mas a minha rotina atual ditou essa necessidade, especialmente porque tenho olhos claros — mais suscetíveis às agressões da luz. No entanto, estas lentes são ideais para qualquer pessoa que tenha uma rotina pautada por ecrãs de computador, telemóvel, tablets e até televisão. Não altera os tons e sinto a vista menos cansada e seca ao final do dia. Se usam óculos, procurem por estas lentes no vosso oculista, é um upgrade que vale a pena (a curto e longo prazo).

Foi este ano que também eu me rendi aos produtos da Bio-Oil, e desde então fazem parte da minha rotina. Uso o óleo para atenuar estrias e algumas marcas de cicatriz dos meus tempos áureos de criança selvagem que se esfolava nas suas aventuras dia sim, dia sim (vestida de princesa, devo acrescentar), e o gel para uma hidratação reforçada na região das pernas, braços e cotovelos. Tem feito muito a diferença, mas deixei mais alguns detalhes e dicas neste artigo — vale a pena lerem antes de adquirirem.

Também foi este ano que descobri o mundo mágico da The Ordinary através deste sérum de vitamina C. Tem feito parte da minha rotina de noite e foi o produto de skincare que mais teve impacto no meu rosto. Sinto a pele mais uniforme, linhas de expressão atenuadas e sinto que ganhei uma luminosidade saudável. Sinto que recuperei alguns tons saudáveis que, dantes, só conseguia nas estações mais quentes. Neste artigo, deixei algumas dicas sobre a aquisição de produtos com vitamina C!

A minha maior surpresa destes últimos dois meses foi, sem dúvida, este chá preto de frutos vermelhos. Eu detesto chá de frutos vermelhos, é talvez o sabor de chá que mais abomino. Mas depois vi um tweet da Nídia a falar desta versão de chá preto com frutos vermelhos — e que ela também detestava os outros — e decidi confiar na recomendação e experimentar. Tem sido um dos meus chás preferidos de beber. É uma combinação perfeita para a primavera, fica bom com leite (eu sei que vocês não gostam mas, na possibilidade de existir alguém igual a mim desse lado...) e tem um gosto muito agradável (e nada semelhante aos chás de frutos vermelhos convencionais). Eu amei, obrigada, Nídia!


Fui pela primeira vez ao aclamado supermercado Amanhecer do Martim Moniz e estive quase para encomendar uma tenda na Decathlon para viver dentro daquela loja. É um mundo com tanta oferta e variedade que me senti completamente perdida. Quando saímos de lá e demos conta de que só tínhamos trazido quatro produtos, percebemos que na próxima visita tínhamos de ir com outra preparação! Felizmente, tudo o que eu trouxe está mais do que aprovado porque agora posso fazer boba tea em casa! 

Trouxe as bolinhas de tapioca — e são bem rápidas de fazer — e dois milk tea para acompanhar. A única vez que tinha bebido um milk tea já feito foi quando o meu pai trouxe uma latinha para experimentar do Japão e sonho com isto desde então. Trouxe o sabor original — que é bem doce porque leva açúcar, confesso que já não estava habituada — e o de gengibre, bem spicy e que me recorda o Natal. O meu passado de nutricionista urge em alertar-vos que estes pacotes de chá em específico que comprei não são propriamente saudáveis — são uma bomba, na verdade. Tenho esperança de, numa próxima visita, conseguir encontrar uma opção com menos ingredientes e açúcar, mas para uma bebida doce e fun é delicioso!


Com o desconfinamento, um dos primeiros restaurantes que visitámos é também um dos meus favoritos, o Boa-Bao. Desta vez, não fui criativa e escolhi o meu prato preferido — o pad thai de camarão — mas em vez de ficarmos numa esplanada concorrida e com tempo limitado de refeição, optámos por fugir das multidões e pedir uma box para comermos num recanto de Lisboa com vista. No final, são estes pequenos prazeres — e refeições com paisagens privilegiadas — que ficam nas nossas recordações.


Accidentally Wes Anderson
_________________

"Wally Koval, autor do perfil, partilha todas as 
fotografias que poderiam ter saído de um filme de 
Wes Anderson. (...) Accidentally Wes Anderson 
está dividido por continentes, e a vontade de viajar 
enquanto folheamos as páginas é imensa. As 
descrições são sempre muito bem dispostas e o 
livro consagra-se numa prova de que, em qualquer 
lugar, há um recanto encantador. Fiz questão de ir 
lendo o livro inteiro e retirei desta leitura uma 
imensidão de lugares que espaços 
que quero conhecer."

REVIEW COMPLETA


Design Is a Job
_________________

"Design Is a Job está inegavelmente focado para 
designers, mas com uma acessibilidade de leitura 
incrível. Dividido por partes, explora todos os desafios 
e preconceitos desta área, orientando o profissional 
para saber dar resposta aos pedidos do quotidiano 
e saber gerir de forma equilibrada as expectativas 
do cliente VS a sua própria experiência, e ainda a 
dinâmica com colegas (da sua área ou não)."

REVIEW COMPLETA


A Vida Contada de A. J. Fikry
_________________

"(...) uma história sobre um livreiro viúvo um pouco 
amargurado que, depois de ver o seu maior tesouro 
roubado, encontra uma encomenda totalmente 
inesperada na sua loja. (...) Todas as personagens 
do livro estão deliciosamente bem desenvolvidas e 
nenhuma existe com o simples propósito de ‘servir’ 
o protagonista. É um livro que retrata bem a 
realidade de todos nós sermos os protagonistas nas 
nossas histórias e personagens secundárias 
nas histórias dos outros."

Este livro foi uma oferta Editora SELF  e podem 
adquiri-lo só hoje (2 de maio) com 40% de 
desconto através do código BOBBYPINS40
Aproveitem, é um livro muito bonito.

COMPRAR


Crime Scene: Cecil Hotel
_________________

"Cecil Hotel é um edifício em Los Angeles que, ao 
longo dos anos, não acumulou a melhor reputação. 
A gota d'água chegou depois do desaparecimento 
misterioso de Elisa Lam, que esteve nas bocas do 
mundo por uma série de razões um pouco insólitas 
e macabras. O criador de As Gravações de 
Ted Bundy decidiu resgatar esta história e contá-la 
através de quatro episódios muito dinâmicos e 
extremamente bem editados."

REVIEW COMPLETA


Calls
_________________

"Com episódios que raramente chegam aos 20 
minutos, toda a história é contada através 
de diálogos por chamada telefónica, e não existem atores, cenários 
ou gravações. A série é unicamente ilustrada através de linhas 
gráficas e abstratas. (...) É quase inato que o nosso primeiro 
instinto seja pensar que esta série é um podcast. Mas, 
na realidade, estas animações gráficas são elementos 
visuais importantes para enriquecer o storytellingestabelecerem 
uma cadência na história e realçarem os detalhes importantes de 
cada diálogo. Não pode simplesmente ser ouvida."

REVIEW COMPLETA

Fazer um makeover a esta estante foi muito mais divertido com os quadros da Desenio. Depois de experimentar duas correntes — e de vocês darem a vossa opinião — dei-vos ouvidos e mantive o estilo com as andorinhas, que eu tanto adoro, e optei por pendurar o cartaz de Jazz. Adoro que a minha decoração seja uma extensão da minha personalidade e não apenas um elemento de beleza superficial.

Este artigo foi uma oferta Desenio.


Não sou, de todo, uma ávida jogadora de computador, e mesmo os SIMS perdiam a graça depois de me tornar milionária através do motherlode e de decorar toda a casa. Mas houve um jogo que marcou em absoluto a minha infância: Worms. Para quem não conhece, cada jogador tem um conjunto de minhocas que aterram numa campo de batalha e têm de combater à distância umas contra as outras. A equipa que eliminar primeiro as minhocas adversárias ganha. É um jogo simples, mas talvez seja por isso que já existem tantas versões e que continua na ribalta, tantos anos depois. O Diogo instalou-me o jogo no computador e senti-me com 8 anos outra vez. Dei por mim em alguns finais de dia a desligar do mundo por meia hora e a divertir-me a jogar isto de novo. Curiosidade: recordei com algumas pessoas a existência deste jogo e, logo a seguir, foram todos fazer o download também! Nostalgia total!

O Notion não é um favorito deste mês mas fiz uma tour do meu convosco e vocês receberam muito bem esse artigo. Sinto que o Notion é uma jornada e, a cada dia que passa, vamos descobrindo novos truques, funcionalidades e disposições que resultam melhor para as nossas necessidades. É por isso que recomendo que explorem o Notion com paciência, porque ele não vai ficar pronto e perfeito numa primeira utilização. Aproveito para agradecer também a todos os que se inspiraram no meu set up e me foram enviando prints e fotos dos seus próprios perfis! Sintam-se à vontade para recriar — e para me enviarem ideias também, estou sempre à procura de inspiração!

Os ginásios já abriram mas dei por mim sem vontade de quebrar a rotina de treinos em casa — especialmente por estarmos constantemente incertos da probabilidade de tudo voltar ou não a fechar. Oficializei os treinos em casa através dum tapete de yoga. Faço sempre corrida e, de seguida, treinos de força e musculação com meias, e o tapete de yoga ajuda não só a dar alguma aderência ao piso, mas também conforto para exercícios deitada. Escolhi este, da Decathlon, indicado para pilates por ser ligeiramente acolchoado, mas resulta perfeitamente para o meu tipo de treino e tem um elástico para transportar o tapete para qualquer lugar!



playlist
______________________________


Abril foi breve, pouco primaveril mas com um verdadeiro sabor de liberdade, numa verdadeira homenagem ao mês. Em abril, não houve banhos de sol antecipados, o jardim não ficou terminado como prevíamos e grande parte dos dias foi pautada por muito trabalho, algum cansaço associado ao isolamento e chuva, mas há muitos momentos especiais que quero recordar.
 


Abril teve direito a uma Páscoa comedida, vitórias especiais no trabalho e muita formação. Foi o mês dos jantares de sexta-feira, do regresso breve a Lisboa, dos passeios de fim de semana aos lugares de sempre e a novos recantos.
 

Este mês, comi gelados no jardim, fiz dos livros a minha companhia diária, fui a feirinhas locais, celebrei aniversários especiais e acompanhei o processo de vacinação de muitas pessoas que estimo.
 

Recebi e-mails que me fizeram sorrir (a raridade!), mimei-me, deleitei-me com a carbonara do Diogo (à moda italiana!), lanchei com os avós e senti-me feliz. Foi um mês corrido, ora de deadlines importantes, ora de planos incríveis. E é assim que eu gosto dos meus dias.
 
Maio, sê quentinho no coração (e na pele, que a gente quer isolar mas com um bronze de sonho).

3 comentários:

  1. Foi um mês com muita coisa boa. Que Maio te traga o dobro :)
    Beijinhos
    Coisas de Feltro

    ResponderEliminar
  2. Não há melhor forma de regressar à leitura de blogs do que com os teus favoritos, Inês! :)

    Adoro esse teu fascínio por andorinhas. É muito tu, muito leve e bonito! E agora, se me dás licença....vou ter que ir jogar Worms! :p

    Um beijinho!

    ResponderEliminar
  3. O colar de andorinhas é tão bonito!! *-*

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)