sexta-feira, 4 de março de 2022

FILMES | Fevereiro • 2022


Se o Cluedo fosse um filme, seria este. Bem sei que existe uma adaptação do próprio jogo – inclusive, encontram a minha review aqui – mas Knives Out tem a dinâmica e o twist próprios do jogo. Tudo começa com uma suspeita de homicídio de um magnata e respetivos suspeitos. Tirando esta premissa tão simples, não há nada que eu possa dizer que não vá estragar o efeito surpresa do filme: e esta é a melhor parte da produção, a matrioska de surpresas que vão surgindo ao longo do filme. É leve, toca en passant em alguns temas muito atuais e sensíveis e é a recomendação perfeita para um filme de domingo à tarde simples, mas com substância. Conseguem adivinhar o que realmente aconteceu? 

Surgiu, previsivelmente, nas minhas sugestões da Netflix e caí na ratoeira. Não há muito a dizer sobre esta produção que eu tenha gostado: a minha parte preferida talvez tenha sido a representação do descrédito com que muita gente encarava os perigos do novo regime – uma realidade que, infelizmente, regressa aos dias de hoje. Ninguém acreditava que aquele nível de crueldade fosse possível (ou que estivesse a acontecer). Também achei que faz alguns retratos interessantes do que outras pessoas judias sofreram perante o antissemitismo e holocausto, algumas representadas de forma discreta, outras violentamente expostas ao espectador. O filme presta uma homenagem à lealdade inabalável Hannah Goslar, uma amiga muito próxima de Anne Frank. Por outro lado, todo o filme encosta-se na popularidade de Anne Frank e chega até a fazer referências verdadeiramente desconfortáveis, que não me parecem respeitar nem Anne Frank nem a própria Hannah Goslar – o filme refere que é baseado em factos verídicos, mas senti que viajou demais no ‘baseado’. Percecionei um certo voyeurismo no fascínio do Holocausto e das duas jovens judias e terminei o filme sem vontade de o recomendar. 

Estou numa fase de querer ver mais filmes dos Estúdios Ghibli e Sussurro no Coração conquistou-me por completo. Aquilo que mais adoro nestes filmes de animação é a simplicidade das premissas, o respeito pelo silêncio e pelos tempos mortos, a cadência onde o quotidiano e as coisas banais têm magia e o ritmo certo para surgirem. Sussurro no Coração é um bom exemplo disto: conta a história de Shizuku, uma ávida leitora que descobre que todos os livros que levantava na biblioteca já tinham sido lidos anteriormente pela mesma pessoa. Intrigada com esta coincidência, a protagonista parte numa investigação para descobrir quem é este leitor que partilha os seus gostos literários. Pelo caminho, cruza-se com personagens adoráveis, enredos paralelos e uma certa dose de magia que, para mim, evoca a nostalgia de assistir a filmes dos Estúdios Ghibli em criança. Recomendo muito! 

Gatsby e Ashleigh são um jovem casal que decide passar um fim de semana romântico em Nova Iorque. No entanto, as situações mais inesperadas acontecem nos seus planos de viagem e revelam as peculiaridades do casal.
Devo confessar que só descobri toda a polémica em torno de Woody Allen quando fui pesquisar sobre este filme e fiquei com uma certa sensação de culpa por ter assistido ao filme (o eterno dilema de separar a arte do artista). Porém, e com total imparcialidade, achei que é um filme pretensioso e que concretiza mal. Não há nada de errado em filmes pretensiosos quando são bem-sucedidos no que fazem, mas não sinto que seja o caso deste, com Timothée Chalamet, Elle Fanning e Selena Gomez no elenco principal. As reflexões e as peculiaridades das personagens pareceram-me datadas, e aquilo que tinha tudo para ser um filme com uma boa premissa – sobre o amor jovem, a homenagem a Nova Iorque, sobre ficarmos assoberbados pelas emoções – perdeu-se no pretensiosismo e dali não conseguiu regressar. Uma curiosidade: quando rebentou a polémica, tanto a Selena Gomez como o Timothée Chalamet doaram todo o salário da produção deste filme a instituições de solidariedade como forma de se desmarcarem do realizador, após a acusação formal.

Que filmes assistiram em fevereiro? O que me recomendam?

1 comentário:

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)