segunda-feira, 7 de fevereiro de 2022

LIVROS | Instinto


Depois de tanto feedback positivo e das reviews a afirmar que este era um livro eletrizante e impossível de pousar, comecei Instinto com as expectativas no topo. Sabia o tema principal da narrativa – maternidade – e, por isso mesmo, estava reticente de que fosse conseguir conectar-me com o livro (não tenho o chamado relógio biológico). Mas rapidamente percebi que não seria necessário. 

Instinto é um thriller psicológico que nos apresenta a dinâmica entre Blythe Connor – uma mãe de primeira viagem determinada em não falhar como mãe e em proporcionar à sua filha e família tudo aquilo que, enquanto filha, não teve – e Violet (a filha). Entre receios do próprio passado de Blythe com a sua mãe e as dificuldades inerentes à maternidade, a protagonista apercebe-se de que a sua filha Violet tem algo de peculiar: é distante, fria, difícil de amar naturalmente, como se espera de qualquer mãe, certo? A relação agrava quando a filha se torna cada vez mais perturbadora. 

Nunca li muitos livros sobre maternidade ou dinâmicas entre mãe e filha, portanto, acredito que o impacto deste livro, por ser uma estreia, tenha sido tão grande. Senti que era uma história autêntica. Cada capítulo não passa de pura ficção – e temos um contexto de thriller a dramatizar e a adensar ainda mais a história e as emoções -, mas muitos dos relatos de Instinto parecem-me passíveis de qualquer mulher sentir durante a gravidez ou maternidade (quer esteja a viver um thriller insano ou não). A personagem vocaliza, muitas vezes, medos viscerais que tantas mulheres sentem e seriam incapazes de o dizer em voz alta (por medo das represálias da família, por expectativa da sociedade que romantiza a maternidade ou mesmo pelo próprio sentimento de culpa, por imaginarem que mais nenhuma mãe pensa dessa forma). Só por este detalhe (que não é, de todo, um detalhe), o livro já tinha a minha ovação, mas o próprio thriller surpreende capítulo a capítulo, levando-nos a devorar tudo para saber o que nos espera. 

Acho difícil ficarmos indiferentes a esta história, já que é algo que nos toca tão profundamente (mesmo que não sejamos mães, todos nós somos filhos). Embora sinta que a narrativa procura, principalmente, despertar do leitor revolta ou compaixão por Blythe e Violet, confesso que a personagem que mais me deixou inquieta foi Fox, o pai de Violet. Desempenha o papel do pai que cobra da parceira a totalidade das funções de maternidade e cuidado, desrespeitando as necessidades e frustrações naturais e compreensíveis da protagonista – ao ponto de questionar as próprias faculdades cognitivas de Blythe. É uma personagem muito real, um reflexo de uma percentagem de homens que ainda encaram os cuidados de um bebé exclusivamente para a mãe. Não faz do puerpério um desafio de equipa e, embora existam depois outros detalhes que adensem esta revolta pela personagem, acho que isto foi a principal razão que me fez não gostar dele. 

Não recomendaria a leitura para recém mamãs ou mulheres que estejam no processo de tentar engravidar – já é um momento de tantas dúvidas e receios que, mesmo com um retrato tão fiel, receio que não vos traga conforto num momento destes. Mas a todas as outras pessoas, recomendo vivamente a leitura e subscrevo as centenas de reviews positivas.

WOOK

Bertrand

Este artigo contém links de afiliado.

1 comentário:

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)