quinta-feira, 16 de dezembro de 2021

LIVROS | Coisas da Vida


Adoro Martha Medeiros. Acho que, de todos os cronistas que já li, ela é a minha preferida. A forma astuta e sensível com que pega nos temas mais aleatórios do quotidiano e transforma em reflexões tão tangíveis sobre a vida nunca deixa de me surpreender — e reconfortar. 

Não é uma autora com repertório fácil de encontrar em Portugal a não ser que estejamos a falar de um lançamento, e por isso não leio tanto dela quanto gostaria. A minha primeira visita à Dèjá Lu deixou-me encantada porque encontrei dois livros dela que nunca tinha lido: um deles foi este, Coisas da Vida, uma compilação das suas melhores crónicas para os jornais Zero Hora e O Globo entre 2003 e 2005. 

Pela margem temporal, alguns dos seus pontos de partida são datados, mas as reflexões permanecem intemporais. Com Martha Medeiros, faço todas as exceções e sublinho as minhas citações preferidas dela. Entre amor, amizade, solidão, feminismo e outras tantas aleatoriedades, são raras as vezes em que não me encontro no mesmo comprimento de onda da autora (e quando não estou, compreendo o dela e aceito as diferenças). 

Coisas da Vida tem um sotaque do outro lado do Atlântico e dá um enxergar fresco à rotina, à forma como observamos as nossas relações e aspirações. Deixa-me sempre a pensar. Quando for grande, quero ser como ela.

WOOK

Bertrand

Este artigo contém links de afiliado.

2 comentários:

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)