segunda-feira, 29 de novembro de 2021

FILMES | Novembro • 2021


Ainda em cartaz, Spencer tem sido uma produção muito aclamada pela crítica, mas confesso que não consegui gostar da proposta deste filme. O filme retrata um fim de semana da família real durante as festividades, num paradoxo entre o luxo e o excesso de acomodações e o vazio e sensação de não-pertença da Princesa Diana naquele seio familiar. Interpretado por Kristen Stewart, a prestação tem sido muito bem cotada, com alguns elementos do círculo pessoal de Diana a confirmarem o retrato fiel com que a atriz encarnou a Princesa. No entanto, não consegui sentir empatia nem envolver-me na história (nunca senti que estava a ver a Diana mas sim que estava a ver a Kristen a fazer de Diana, faço-me entender?). Entendo que, com uma produção como The Crown, Spencer não quisesse ficar à sombra e decidisse fazer uma interpretação da história à sua imagem. Mas os gestos não pareceram orgânicos, as referências psicóticas com laivos de demência pareceram-me um pouco deslocadas e quase forçadas para refletir a angústia e, no final, senti-me totalmente desligada da história. Acho que é uma unpopular opinion e que Spencer pode ser o passaporte para o Oscar da Kristen Stewart (ao qual tenho de lhe reconhecer o esforço), mas para mim é um não. Sinto que teremos sempre a Emma Corrin.


Às vezes, em toda a arte, mas no cinema em particular, faz-me falta aqueles rasgos de criatividade sem lógica, sem excesso de realismo. E o Wes Anderson faz esse trabalho com mestria e uma assinatura inimitável. The French Dispatch é o retrato das peças de uma revista de nome homónimo onde, em vez de lermos cada artigo, vemo-lo contado à frente dos nossos olhos no ecrã. É portanto, uma produção com várias histórias numa só, onde o elo aglutinador é a produção da última edição revista, onde todos os cronistas e jornalistas (cada um com o seu estilo e método próprio) fecham a sua última peça. Tudo com um dinamismo, fotografia e cor muito próprios do realizador, que sabe contar uma história cativante em que conseguimos acompanhar a narrativa e ser surpreendidos com alguns elementos fora da caixa. Não há quem não saia criativo depois de ver um filme dele e The French Dispatch, por ter uma ligação com a componente escrita, foi uma experiência muito especial para mim. 

Já estreou em 2011, mas eu só assisti este mês e depois de ter lido o livro que deu origem a esta adaptação. Não tive ainda tempo de partilhar a minha review do livro mas posso adiantar que se tornou num dos meus romances preferidos de sempre. 
A história é muito original: conhecemos Emma e Dexter, dois grandes amigos que orbitam num amor platónico e cuja vida vamos acompanhando durante 20 anos. O twist mais interessante é que acompanhamos a evolução da história ano a ano e sempre na mesma data: 15 de julho, a data em que se conheceram. 
Embora a produção tenha conseguido captar bem a dinâmica cronográfica do livro, acho que ficou muito pobre em refletir a profundidade das duas personagens e da sua própria relação (algo que o livro consegue fazer com mestria). Sinto que o livro concentrou-se mais na componente evolutiva das personagens e o filme centrou-se demasiado no plot e na cronologia, deixando os diálogos, acontecimentos e dinâmicas entre as personagens muito superficiais. Poderia ser porque li o livro, mas acho que não é um filme que, por si só, sobreviva na memória de quem assiste sem conhecer a história, o que é uma pena, já que a história é, verdadeiramente, original. Normalmente, o livro ganha sempre mas, neste caso, é bastante evidente. 

BEAUTIFUL BOY
Em 2019, li o livro que deu origem à adaptação deste filme e só há pouco tempo tive coragem para mergulhar de novo nesta história que me partiu o coração de deixou de lágrimas nos olhos. Beautiful Boy não é uma história de tristeza gratuita, mas não existem dúvidas de que é um testemunho comovente (e verídico) de um pai que observa o filho entregar-se à toxicodependência. Com Steve Carell no papel de pai (com zero comédia) e Timothée Chamalet no papel de Nic, o filme faz um retrato muito fiel da angústia do pai em querer salvar o filho de um ponto de não retorno na sua adição. O que começa por ser uma ligeira preocupação (com confiança na sensatez do filho em tomar as decisões certas), rapidamente escala para um pesadelo. O livro Beautiful Boy foi inteiramente escrito na perspetiva e testemunhos do pai (o que eu achei interessante, já que é uma forma de observar a toxicodependência de um prisma familiar, que tantas vezes é afetado), mas o filme uniu tanto o livro Beautiful Boy como o livro Tweak, a versão da mesma história, mas contada através de Nic. O filme, torna-se, assim, na combinação dos dois testemunhos, e resulta numa produção muito forte, intensa mas extraordinariamente bem feita e que respeita muito quem passa por uma experiência destas.
A banda sonora é fenomenal (se não tiverem estômago para ver o filme, deem uma oportunidade à OST), a fotografia é poderosa e a prestação do elenco é excecional. Fiquei surpreendida que a Academia tenha ignorado completamente este filme.
P.S.- Vale a pena clicarem no link do trailer e verem os comentários. Alguns são de testemunhos de pais a falar da reabilitação dos filhos ou de testemunhos na 1ª pessoa. São um complemento muito bonito a toda esta história.

1 comentário:

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)