sexta-feira, 25 de outubro de 2019

LIVROS || Beautiful Boy


Nunca fui a maior fã de livros com a temática dos vícios. Em grande parte porque me impressiono muito facilmente e as ideias mais violentas destes livros permanecem na minha mente muito depois de ter terminado a leitura, quase como que uma assombração. São histórias sempre difíceis e duras de ler que me fazem manter à margem. No entanto, com Beautiful Boy, eu quis entrar nessa viagem.

A razão principal está na premissa do livro; ao contrário da maior parte deste tipo de relatos — feitos na 1ª pessoa ou em género de ficção, com narrador na 3ª pessoa —, Beautiful Boy é a história de como Nic se entrega ao vício, narrado pelo próprio pai. É um testemunho verídico de como um miúdo carismático, inteligente, cheio de projetos e sonhos se entrega às drogas numa queda vertiginosa aos olhos do seu progenitor. Eu achei esta perspetiva muito intrigante porque o mundo da droga não arruína apenas o utilizador. É muito interessante ver através do prisma de um pai que, ao início, não quer acreditar que o seu filho inteligente seria capaz de se entregar para uma decisão tão insensata. Em paralelo, David — pai do Nic — partilha também o seu próprio testemunho de como abordou as drogas com a idade do filho. O conflito entre relevar a experimentação de drogas leves ou encarar como um alerta; a ansiedade de tentar compreender se vai tarde demais para salvar o filho ou não; a própria transformação da dinâmica familiar, não só entre o pai e Nic mas também com os restantes membros da família. Todas estas abordagens são violentas mas extraordinariamente bem contadas.

É um livro muito triste e não me lembro da última vez que tinha chorado copiosamente enquanto lia. A angústia e o sofrimento do pai, a aflição perante os desaparecimentos de Nic, a desilusão, a transformação gerada pela droga que resulta em comportamentos que, sóbrio, seriam impensáveis. Todos estes relatos tornam Beautiful Boy numa leitura dura e angustiante. É impossível não sentirmos empatia por David e de dividirmos com ele cada emoção. A esperança e a escassez dela; a frustração e a vontade de não desistir de quem se ama; Este amor voraz e incondicional que só um pai ou uma mãe podem sentir e que é tão imenso que é capaz de tanto suportar e perdoar. Que é tão forte quanto as más decisões e exageros de Nic. 

A leitura foi lenta — embora a narrativa seja bastante fluida e acessível — e com horário escolhido a dedo para que todo o ambiente pesado não influenciasse o meu próprio dia e bem estar. No entanto, não me arrependo nem um segundo da leitura e de ter acompanhado esta luta, especialmente porque agregou mais conhecimento sobre todo o processo de um vício — que tendemos a achar que sabemos tudo e a ser muito preconceituosos e injustos — e também sobre dados científicos que desconhecia — mas que um pai desesperado é capaz de pesquisar e, mais tarde, partilhar num livro. Chega a ser quase arrepiante a forma subtil e insidiosa como as drogas se instalam no quotidiano de Nic; inicialmente, de forma inocente e quase inofensiva, crescendo e levando tudo à frente consigo, incluindo princípios e valores humanos básicos.

O livro já foi adaptado para o cinema com a prestação (improvável) de Steve Carell, que se despiu da comédia para interpretar este drama, e de Timothée Chamalet, a sensaçao de Hollywood dos últimos tempos. Pela curiosidade que tenho para observar Carell num registo mais sério e pela possível prestação brilhante, mas desafiante, de Timothée para personificar Nic, sou capaz de passar por esta viagem de novo, sabendo que de lá sairei com um nó na garganta e o coração desfeito. Mais uma vez. Recomendo a leitura se estiverem numa fase de vida menos atribulada.

WOOK

Bertrand

Esta publicação contém links de afiliados.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)