quarta-feira, 2 de setembro de 2020

FILMES || Tenet


O único filme assistido em agosto foi no grande ecrã, com direito a pipocas e à confusão mental a que Nolan já nos habituou. Nesta mais recente produção, o realizador volta a querer brincar com o tempo. 

Envolvendo espionagem internacional, o Protagonista precisa de manipular o tempo a favor da Humanidade tal como a conhecemos. Mas, se já acompanham o repertório do Nolan, sabem que esta descrição é absolutamente superficial — mas que nada mais faz sentido dizer sem estragar a experiência a quem vai assistir. 

Tem sido uma produção que divide os críticos; enquanto uns acham (mais) uma produção brilhante e desafiante, outros sentiram-se desiludidos e defraudados. Confesso que, embora esteja longe de ser o meu filme preferido do realizador, não saí desiludida do cinema. Muitas das críticas apontam para um nó na narrativa tão denso que o público é incapaz de acompanhar e não concordo — previ muitos detalhes do plot a meio do filme e o Diogo topou o segredo da cena final de imediato (mas admito que ainda estamos anestesiados com Dark, que faz qualquer produção sobre o tempo parecer child's play). Não é um filme impossível. 

Em Tenet, a física e o tempo são os fios da marioneta sensacional que nos prende do início ao fim, entre cenas cheias de ação e mistérios que desejamos desvendar — ou teorizar. Fiquei, isso sim, desiludida com a banda sonora mas encantada com a fotografia de Oslo, palco de inúmeras cenas do filme e que me recordou os lugares por onde passeei — e gostava de voltar a passear. Está extraordinário e quem disser o contrário é injusto ou aborrecido em festas.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)