segunda-feira, 6 de janeiro de 2020

FILMES || Os Dois Papas


Numa época muito sensível para a igreja católica, marcada por escândalos e descrença, o Papa controverso Bento XVI reúne-se com o Cardeal Jorge Bergoglio — atualmente, mais conhecido como Papa Francisco —, ambos com propostas distintas um para o outro. Eternizar os encontros entre estas duas figuras num filme não se cingiu a propósitos meramente dramáticos. Refletiu os acontecimentos insólitos que decorreram a seguir.

A transição de um Papa conservador e tradicional, como Bento XVI (após a sua renúncia ao cargo, um acontecimento inédito), para um Papa liberal e progressista como Francisco — e, mais inusitado ainda, com o aval do primeiro — consagrou-se num momento inesperado e misterioso. Ambos eram conhecidos pelas suas divergências categóricas na abordagem e visão da igreja e da fé. Os encontros revelaram-se uma tentativa do Papa Bento XVI de encontrar um ponto de convergência com o Cardeal que ele ambicionava que lhe sucedesse após a renúncia ao cargo. E assim surge, baseado em factos reais, Os Dois Papas.

A minha relação com a fé é um processo ad aeternum em construção mas admito que a minha relação com qualquer igreja é mais objetiva: distante. Reconheço a minha ignorância face a muitos (inúmeros!) aspetos da religião Cristã — e da sua própria história — mas assisti a este filme totalmente absorvida. São mais de duas horas de longa metragem que, para mim, passaram num sopro enquanto os dois Papas conversavam, discutiam, debatiam e confessavam as suas fragilidades. O filme tem uma componente filosófica muito forte e que nos impele a discutir e refletir a nossa própria visão. A prestação — e caracterização — de Anthony Hopkins e Jonathan Pryce é sublime e faz jus às duas figuras que representam. Os dois Papas são expostos com mais humanidade e menos divindade sem que isso lhes retire a dignidade ou a meritocracia dos seus cargos.

São poucos os filmes que me fazem sentir que preciso de voltar a assistir e prestar atenção a outros detalhes, mas Os Dois Papas é um exemplo perfeito dessa necessidade. Com uma fotografia sublime mas uma cinematografia um pouco mais fraquinha, este é um dos poucos defeitos que encontro na produção. Numa atualidade cada vez mais intolerante para divergências de opinião, onde a discordância gera conflito e ostracismo ao invés de aprendizagem e debate, é incrível existir uma obra que nos mostra que duas figuras com visões absolutamente discrepantes podem convergir, admirar-se e criar laços de amizade.

3 comentários:

  1. Adorei este filme, mesmo! Gostei imenso da personagem do Bergoglio, alegre, simpático e sempre tão bem humorado, gostei muito de ver os contrastes tradicional/reformista e evolução da conexão entre ambos. Muito bom :)

    ResponderEliminar
  2. Quero muito ver este filme! Não só pelo incrível Anthony Hopkins, mas porque tem uma proposta invulgar e todas as opiniões alimentam ainda mais a minha curiosidade a respeito dele! :)

    Não Digas Nada a Ninguém

    ResponderEliminar
  3. Este filme está em toooodo o lado!! :o Curiosa como sou em relação a todo o tipo de assuntos, já o tinha adicionado na minha lista, mas agora como falaste dele - tens uma capacidade incrível de nos motivar a ver e a fazer coisas!! -, não o posso deixar perder!! :P

    Beijinhos,

    LYNE, IMPERIUM BLOG // CONGRESSO BOTÂNICO - PODCAST

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)