quinta-feira, 13 de maio de 2021

BLOGOSFERA || 'Como vais?'


Há uns tempos, uma antiga colega de faculdade enviou-me uma mensagem. Foi uma notificação inesperada mas que trouxe uma sensação reconfortante de saudade e lembrança. Tínhamos muito carinho uma pela outra mas a conclusão da licenciatura e da rotina conjunta, a vida a acontecer e os rumos diferentes afastaram-nos de uma forma natural. Já não sabia dela há algum tempo e fiquei contente com a aproximação. Queria saber como estava, se estava feliz, realizada, quais eram as novidades. Mas saí surpreendida. Do seu lado, tive como resposta “Já sei que estás bem, que estás a fazer A, B e C. Vou lendo o blog e acompanhando as redes!”.
 
Esta resposta — sincera e lisonjeadora, por sinal — fez-me refletir um pouco sobre como os outros interpretam a nossa exposição online. É inegável que o facto de ser mais ativa em algumas redes sociais e de manter um blog com conteúdos que orbitam a minha vida faz com que me exponha mais do que alguém que não crie conteúdos online ou que até tenha pouca expressão em redes sociais. É natural. E embora existam muitas formas de nos expormos e de expormos conteúdos, já conheço o meu percurso o suficiente para saber que 1) sou extremamente ponderada com aquilo que publico em qualquer canal digital; 2) raramente tiro ilações sobre o que os outros publicam.
 
Eu escolho o que quero publicar no meu blog ou nas minhas redes mas isso não é uma janela aberta para a minha vida — mesmo que possa parecer. E esta é uma regra que funciona para praticamente todos os utilizadores de meios digitais. A sensação que fica é de que, como tenho um planeamento de conteúdos regular, muitas pessoas que estimo — ou com quem me cruzei em vários caminhos académicos/profissionais — têm a ideia de que sabem tudo o que se passa: se estou bem, o que estou a fazer, em que fase de vida me encontro, as novidades.
 
Uma das melhores partes de um reencontro — entre amigos, colegas, conhecidos — a meu ver, é o ‘como vais?’. Esta é uma pergunta que nunca será superficial para mim (embora eu saiba quando o estão a ser comigo): eu gosto genuinamente de saber. Mas também gosto que seja uma troca pessoal, fruto de uma pergunta, de um interesse genuíno de bom fundo, e não de uma interpretação digital. Esta é, provavelmente, uma das coisas que mais perco por escrever num blog e uma das maiores desvantagens de o manter: muito pouca gente pergunta como vou porque julgam saber. Tenho perceção de que muita gente que conheço e estimo, a quem pergunto como vão, não tem essa iniciativa porque saciam essa curiosidade através do digital.
 
Este artigo não tem como objetivo vitimizar-me nem tem uma mensagem subentendida — creio que é importante deixar este ponto claro. Não tenho o menor rancor nem mágoa por isto acontecer porque é uma consequência de criar algo que eu amo — e eu amo este blog. É um facto que encaro com uma curiosidade quase cientifica (porque acompanhar um blog realmente traz uma sensação de proximidade e empatia pela pessoa) e que me faz questionar se outras pessoas com blog sentem o mesmo. Vocês sentem que o vosso círculo próximo e afastado de pessoas acha que já sabe tudo o que está a acontecer? Acham que têm mais curiosidade em perguntar ‘como vais?’ do que quem está do outro lado? Estou sozinha nesta reflexão?
 
Para mim, faz sentido finalizar este artigo com o reforço de que o digital é uma extensão do mundo offline mas que não é um espelho da vida de quem cria conteúdo digital. Também não é uma farsa — sou o que sou fora e dentro do digital, não vejo porque mudar — mas é controlado tanto quanto nos é possível. Talvez seja um cliché, mas há momentos, ocasiões e sensações que nem sempre cabem num post, num artigo, numa fotografia, num story. Bons e maus. Normalmente, são esses pequenos momentos engarrafados que ficam guardados para quem tem a audácia de nutrir uma relação (seja ela de que ordem for). As relações nutrem-se de forma bilateral. E ser um espectador — embora me deixe muito lisonjeada pelo meu trabalho — não me ajuda a percecionar que estamos a nutrir uma relação. 

5 comentários:

  1. Eu não sinto isso talvez porque no meu blog não falo muito diretamente de mim, não sei. Também muitas pessoas que conheço não acompanham o blog, até por falta de iniciativa minha para o divulgar.
    De qualquer das formas, se te sentes bem com o que fazes, o julgamento dos outros não te deve moldar, haverá sempre quem pense que sabe da nossa vida até por nos verem passar na rua, deixa para lá e segue em frente :)
    beijinhos e bom fim de semana
    Coisas de Feltro

    ResponderEliminar
  2. Aquilo que dizes faz todo o sentido. É muito fácil assumir que sabemos tudo sobre a vida de uma pessoa pelo que vemos nas suas redes mas na verdade não é bem assim!

    ResponderEliminar
  3. Não sinto isso porque as pessoas próximas de mim não acompanham o meu blog. Provavelmente isso acontecerá mais pela minha conta do Instagram, mas mesmo assim, nunca falo muito de mim, além do mais básico. Mesmo assim, sei que o que partilho dá para ter uma ideia vaga de como estou ou o que estou a fazer. E acredito que essa informação vaga é suficiente para a generalidade das pessoas. Sinto que importa cada vez menos ir ao fundo das questões e talvez seja por isso que as pessoas vão tirando os seus "juízos de valores" com o pouco que partilhamos. Vêm-nos como querem, não como somos.

    ResponderEliminar
  4. Percebo perfeitamente o que queres dizer. No meu caso, a regularidade com publico no blog, por exemplo, não quer de todo dizer que está tudo bem comigo, até porque o blog para mim é também como um escape aos meus momentos de ansiedade.
    Tal como tu, acho que há muitas pessoas que não conseguem fazer a distinção entre o digital e a vida real e às vezes isso pode ser tóxico.
    Beijinhos,
    Six Miles Deep

    ResponderEliminar
  5. Que texto perfeito!!!!
    Concordo plenamente que de alguma forma a nossa vida pessoal fica de alguma forma entrelaçada as redes sociais só que isso é apenas um recorte, nunca é um todo, não é algo completo que vivemos e é impossível acompanhar a jornada de outra pessoa apenas por uma telinha.
    Beijos.



    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)