segunda-feira, 23 de maio de 2022

LIVROS | Home Body


Depois de uma leitura muito pesada e com uma história densa, quis aproveitar uma tarde de sol no jardim para mergulhar num livro mais curto, mais simples. Home Body, por estar mais à mão, foi a escolha. 

Talvez seja importante começar por endereçar que tenho as minhas questões com a Rupi Kaur. Por um lado, acho que ela abriu portas para alguns leitores terem o seu primeiro contacto com a poesia e com a sensibilidade poética. Não consigo concordar com as visões um pouco exageradas – por vezes, elitistas – de que o que ela faz não é poesia, ou que é uma escrita simplista com quebra de linha. Dar a mão aos leitores e levá-los ao mundo (por vezes assustador, inacessível e datado) da poesia é de louvar. A modernidade da literatura passa por diferentes abordagens e a poesia não pode ficar para trás. A sensibilidade poética tem vários contornos, alguns mais suaves e óbvios que outros. Neste ponto, acho que é inequívoco para mim que a Rupi Kaur tem sensibilidade poética e deu o seu contributo pela popularização da poesia numa geração de leitores que a temia.

O meu eterno conflito com esta autora é: quanta dessa sensibilidade poética é sua? Rupi Kaur tem sido sucessivamente acusada de plágio, algo que, sendo eu uma pessoa que escreve (mesmo não sendo uma autora) e que produz conteúdo, inflige uma certa revolta. Ao acompanhar os casos, há sempre uma componente derivativa que protege a Rupi Kaur legalmente, mas moralmente sinto-me muito dividida. 

Ainda assim, Home Body veio parar às minhas mãos e foi uma leitura rápida, tranquila e menos pesada do que os seus outros poemas. Home Body faz uma celebração do corpo, a nossa primeira casa, e da forma como ele nos acompanha em todos os momentos da vida, se transforma, se magoa e sem mantém. A forma como nós tratamos, magoamos, cuidamos, rejeitamos e abraçamos a nossa própria casa. 

Achei uma premissa muito bonita e senti que as passagens procuram, em geral, empoderar quem as lê. Tem uma conotação mais positiva, mais inspiradora, mesmo que alguns dos seus poemas sejam sobre pedidos de desculpa, dismorfia e outros temas que, advirto, podem ser gatilho. Essencialmente, tem um tom de perdão, de reconciliação com o corpo e de homenagem. Tendo em conta que já li os três volumes publicados pela autora, Home Body pareceu-me ser o fechar de um arco de progresso e recuperação de traumas e idiossincrasias. 

Embora os poemas sejam muito bonitos, no geral, senti que não foi um registo muito diferente das outras duas obras – embora, sem dúvida, a mensagem seja mais positiva – e esperava alguma frescura, alguma defesa das mais recentes acusações, uma Rupi Kaur que pegasse na sua arte, na sua sensibilidade e escrevesse uma obra que não despertasse a menor dúvida de que a ponta da caneta não olhou para o lado, não bebeu de nenhum outro conhecimento que não o seu. Esperava mais garra, mais alma. Senti que muitos poemas eram absolutamente lindos, mas sem vida. Sem assinatura por baixo. 

É um livro lindíssimo, muito especial se também têm tido uma batalha de aceitação com o corpo, faz-nos pensar no quanto ele é bonito, capaz, único. Mas não esperem algo diferente do que a autora já lançou.

WOOK

Bertrand

Este artigo contém links de afiliada.

1 comentário:

  1. Hmm 🧐 não fazia ideia das polémicas em torno da Rapi Kaur. Nem tão pouco estava a par do seu novo livro.

    Quanto ao meu corpo.... já sabes que tem sido uma jornada. Nunca me senti tão bem nele, respeitando-o através dos treinos, da alimentação, e muito recentemente, ao desmontar as minhas rotinas de descanso. 😴

    Vou incluir na lista. Não sei para quando, mas que sirva de lembrete para a sua existência.

    Beijocas,
    Lyne, Imperium BlogCongresso Botânico - PodcastLivro DQNT

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)