segunda-feira, 11 de abril de 2022

LIVROS | A História do Senhor Sommer


Este livro bem curtinho é a prova de que grandes histórias nem sempre necessitam de narrativas longas, completas ou cheias de enredos. A História do Senhor Sommer veio parar às minhas mãos de forma inesperada, em 2ª mão e com o carimbo de qualidade de uma amiga com muito bom gosto. Já tinha lido o livro mais célebre do autor, Perfume, e estava ansiosa por conhecer a elasticidade de Patrick Süskind em apresentar outras histórias, realidades e personagens. 

A História do Senhor Sommer poderia facilmente fazer-se passar por um livro infantil, especialmente se tiverem em mãos a mesma edição que a minha, com as lindíssimas ilustrações de Sempé, um dos mais célebres artistas a criar capas para o The New Yorker. Mas, embora fale sobre a infância, não é uma história para crianças. 

Contada na primeira pessoa, um menino sobre o qual nunca chegamos a saber o nome conta alguns episódios da sua infância, em particular, sobre o misterioso Senhor Sommer, um homem idoso que se atravessa no caminho sempre apressado, sempre zangado e sempre só. Ninguém compreende porquê, mas muito se especula. 

Começamos esta leitura totalmente investidos em, tal como o menino, entender que figura é esta tão ranzinza, mas rapidamente sentimos o foco a mudar para os próprios relatos da criança, que evocam a nossa empatia, nostalgia e compaixão. 

Este não é um enredo com reviravoltas ou grandes acontecimentos. Na verdade, a beleza do livro faz-se em encontrar poesia e significado no que é mundano, nas dores de crescimento – reais e figurativas – e, claro, do mistério em torno da personagem que intitula o livro. 

Confesso que não sou o tipo de leitora que é mais entusiasta de pontas soltas, mas neste livro em particular compreendi o ponto do autor e o convite dele para que a nossa imaginação fizesse parte desta história. E, por isso mesmo, todo o desenrolar do enredo e a contribuição da minha imaginação deixaram-me muito emocionada, de uma forma que eu nunca pensei que um livro tão curto fosse capaz de provocar. 

É um livro adorável, melancólico e com um significado que vai muito além das linhas. Uma história com personagens especiais e ilustrado com sensibilidade. Ninguém esquece aquele final.

WOOK

Bertrand

Este artigo contém links de afiliada.

4 comentários:

  1. Que sítio maravilhoso! Cada recanto da Suiça é um postal. Vou lá este verão e acho que vou seguir a tua recomendação e adicionar uma paragem neste sítio. Quanto tempo aqui passaste, apenas um dia? E em Zurique?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Suponho que o comentário era para o artigo de Morschach e não este ahahah
      Um dia chega perfeitamente! Partímos cedo de Zurique, fomos parando para ver as paisagens mas a meio da tarde já estávamos de regresso.
      Zurique, para mim, vê-se tranquilamente em 2 dias, é uma cidade bem pequena e fácil de explorar :)
      Boa viagem, diverte-te!

      Eliminar
  2. Não conhecia, mas parece interessante. 😉

    ResponderEliminar
  3. Livros curtos são mega poderosos! Descobri isso com "a morte de ivan Ilitch"...e há dias, ao receber "a crónica de uma morte anunciada", lembrando-me de ser um dos favoritos de uma amiga, reforcei ainda mais essa ideia.
    Quero ler o "perfume" há muito tempo, mas o que disseste deste livro em questão ligou-me outro interruptor. Fiquei mega curiosa para também descobrir o que move o senhor Sommer, sobretudo pelas minhas últimas descobertas na terapia. Reconhecer que tudo tem uma razão por detrás da nossa personalidade faz toda a diferença, não só para nós mesmos como para o desenvolvimento da nossa empatia! 🙂

    Beijocas,
    Lyne, Imperium BlogCongresso Botânico - PodcastLivro DQNT

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)