segunda-feira, 14 de março de 2022

LIVROS | O Café dos Gatos


Quando julgamos que já vivemos e experimentámos os melhores tempos da nossa vida, é quando mais somos surpreendidos e desafiados. É o ponto de partida para a história d'O Café dos Gatos e que nos apresenta Nagore, uma mulher de 40 anos que sente que falhou em todas as esferas da sua vida. Está desempregada, falida e acabada de sair de uma separação muito dura. No desespero de encontrar uma saída (pelo menos, financeira), aceita um trabalho como funcionária do Neko Café, um espaço muito especial: é um café com gatos disponíveis para adoção. Detalhe: a protagonista detesta gatos. 

Numa leitura bem curtinha e muito suave, mergulhamos numa história descomplicada, ternurenta e que explora o arco de evolução da protagonista ao longo da sua saída do fundo do poço, acompanhada por amigos felinos. Não é um livro inesquecível: há componentes desta história absolutamente irrealistas (a começar pela saída preguiçosa da situação financeira da protagonista). Entendo que não era o foco da narrativa, mas fico aborrecida quando os autores trazem informação para a história e não se esforçam para a resolver de uma forma mais robusta e real, focando-se apenas na linha principal do plot

Houve momentos em que me apeteceu contextualizar a autora de qual é a realidade de um salário  e horário de uma funcionária de café, de que uma pessoa na situação financeira da protagonista nunca estaria a viver num apartamento no centro de Barcelona. Porque se tudo isto fosse verdade - e ainda com gatos à mistura - estaríamos todos, neste momento, a apanhar um voo para Espanha e viver a nossa melhor vida. 

Num aparte, este é, na verdade, um tema que vejo recorrentemente na literatura contemporânea e que até gostava de o explorar num artigo separado: a romantização de certos empregos 'idílicos' em que o salário é tão imaginário quanto a fantasia, mas que são o verdadeiro suporte para tornar a história do/a autor/a possível.

O próprio enredo principal, por vezes, pecou pelo excesso de simplicidade, mas é a história ideal quando só queremos um livro reconfortante, pouco denso, que nos faça sorrir e nos transporte para fora da nossa realidade.

Foi a minha companhia numa tarde de praia e acredito que também poderá ser a vossa, num serão de sofá com chuva lá fora ou em cima de uma espreguiçadeira ao Sol. E se estiverem acompanhadas por um/a amigo/a de quatro patas, ainda melhor.

WOOK

Bertrand

Este artigo contém links de afiliada.

1 comentário:

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)