segunda-feira, 13 de dezembro de 2021

DAILY || Os Embrulhos


Abrir a oficina. Lareira acesa, um filme de Natal, uma chávena de chocolate quente e uma montanha de miminhos para embrulhar. Para nós, o embrulho é tão importante quanto o presente em si, e embora recebamos os mais queridos elogios quando mostramos o resultado final, uma observação com que nos cruzamos todos os anos — quer embrulhemos a papel ou em opções mais sustentáveis — é: “têm um trabalho enorme para ser desembrulhado e esquecido em segundos!”


Há algum tempo que tenho vindo a pensar nesta observação e nunca conseguia encontrar o porquê de a achar errada. Mas cada vez mais tem sido claro para mim que nem tudo o que é especial tem de durar para sempre ou ser vitalício. Há gestos muito especiais que duram o tempo que têm de durar. Às vezes, são segundos. O tempo que a pessoa leva a desembrulhar.


E se existem gestos com validade que são tão especiais e inesquecíveis, porque razão desvalorizamos o embrulho? Deixa de ser bonito ou memorável só porque não dura para sempre? Quando recebem um embrulho lindo e aprimorado, não fica na vossa memória o empenho com que a pessoa preparou o vosso presente? Porque para mim, na minha memória, fica.


É a primeira impressão que temos do gesto de dar, e é tão bonito quanto transparece dedicação…! Bem sei que o tema dos presentes — principalmente nesta época — é sensível para muitos por estar ligado a um conceito consumista, mas o gesto de dar e presentear pode-se manifestar de muitas maneiras, assim como o gesto de embrulhar. Está provado que oferecer presentes fortalece o vínculo entre quem recebe e quem dá, e uma das formas de fazer este gesto perdurar (e ficar ainda mais forte) é através de duas formas: o destinatário mostrar ao remetente de que forma é que aproveitou o seu presente, através de fotografias, vídeos ou mensagens (tem um impacto muito forte na relação!) ou através do embrulho, porque é simbólico do esforço que o dador depositou naquele gesto do início ao fim. Não é interessante que os dois momentos mais importantes do gesto de dar sejam o embrulho e a manifestação real de que o destinatário gostou do presente?


Não precisa de ter floreados, não precisa ser perfeito. Um dos presentes que mais gostei de receber do Diogo vinha em papel pardo — ele sabe que adoro — e o seu talento para embrulhar estava mais do que evidente no resultado final (pista: usou agrafos em vez de fita-cola) mas eu vi, em cada detalhe, que se esforçou à sua maneira para surpreender e para criar um embrulho bonito, à luz do que sabia e tinha à mão. Já recebi outros embrulhos que também deixaram os meus olhos a brilhar pelo engenho e talento. E é o que tento fazer com os meus: mostrar o meu cuidado e dedicação em cada pormenor.
 
Duram pouco, mas não se esquecem. E há tanta coisa especial que podia ficar encaixada nesta definição... Acho que os embrulhos são uma lição simples de como as coisas não perdem significado só porque não duram para sempre.

1 comentário:

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)