sexta-feira, 6 de agosto de 2021

LIVROS | Little Women


Consegui a proeza de chegar à idade adulta sem conhecer Little Women: sem ter lido os livros nem ter assistido às adaptações. Quando os Oscars de 2019 tinham esta obra adaptada nos nomeados, assumi a minha curiosidade com um livro que é, para muita gente, o seu preferido. Mergulhei na leitura sabendo muito pouco sobre o enredo à exceção de que seria uma narrativa de época sobre quatro irmãs — Jo, Amy, Meg e Beth — e as suas peripécias.

Entre episódios e acontecimentos muito sóbrios, onde as irmãs vão alternando o protagonismo — tendo, no entanto, a referência da anti-heroína Jo como figura central — cada enredo tem uma mensagem moral e religiosa muito forte, mas sempre manifestado de uma forma monótona, sem climax.

Foi também durante esta leitura que me apercebi de que não tinha noção de que existia uma sequela; terminei Little Women numa (belíssima!) edição da Wordsworth Editions convicta de que aquela era a história na íntegra e, preciso de confessar, achei aborrecida de morte. Existem alguns pontos muito interessantes (a personalidade da Jo, o drama que se adensa, a dinâmica de Laurie com todas as irmãs...) mas, no geral, é uma narrativa extremamente insonsa e onde a carga moral causava-me um certo desconforto (mesmo fazendo o esforço para me recordar da época em que o livro foi publicado). Terminei Little Women sem compreender muito bem porquê o fascínio. E então assisti à adaptação de 2019 e senti-me defraudada! Todos os acontecimentos estimulantes do filme não existiam no livro! Como assim? Estava absolutamente confusa até me explicarem que existe um segundo volume desta história, Good Wives, onde a narrativa parece ganhar um rumo mais profundo e estimulante.

Embora este seja um clássico muito acessível de ler — e evoque outros tempos e outras exigências — livros onde o primeiro volume tem de servir para dar arranque ao segundo não me convencem. Vejo muitas vezes o Little Women associado ao feminismo mas senti que é uma combinação forçada. Sem dúvida que é um livro de época onde as mulheres brilham, com uma protagonista que não quer casar nem ser dona de casa (arrojado, certo?), mas o nó final é desapontante e altamente moralizador. A nota final transmite mensagem como: se não queres casar é porque não encontraste o homem certo, se não queres construir família é porque te falta maturidade enquanto mulher. E embora o casamento e a família possam ser perfeitamente feministas, deixam de o ser são embandeirados como o único caminho para uma mulher se sentir empoderada ou realizada. Valores como a castidade, humildade e subserviência são representados como elementos fundamentais para a dignidade de uma mulher. São princípios que eu compreendo na sua época de publicação, mas já não quando pautados como um livro feminista à luz dos dias de hoje (especialmente quando fazemos uma análise atenta ao livro).

Há que ter em consideração a pressão que a autora sofreu, na época, para mudar o rumo de Jo de forma a ter o seu livro publicado. Na altura, não podiam existir livros onde mulheres terminassem a sua aventura solteiras e felizes. Esta foi uma injustiça que o filme vingou e que me fez ter uma inclinação notória para a adaptação. Tenho perceção de que a minha ignorância em relação à dinâmica dos volumes também não ajudou a construir uma imagem mais sólida e fantástica desta leitura. Fico satisfeita por finalmente desvendar o véu do universo Mulherzinhas mas acho que, mais do que uma referência feminista, esta é uma obra que eu acho muito mais interessante de colocar sobre a mesa e discutir o quanto tem expectativas e imposições na mulher subterfugiadas de empoderamento (algo que, ainda hoje, encontramos no universo cultural de filmes, séries e livros).

WOOK

Bertrand

Este artigo contém links de afiliado.

3 comentários:

  1. Ainda não me aventurei por este livro, tão falado como dizes, embora tenha lido algumas opiniões semelhantes à tua, o que certamente tem vindo a contribuir para o adiamento desta leitura. Quem sabe se 2021 será o ano para ler Mulherzinhas ;)

    Não Digas Nada a Ninguém

    ResponderEliminar
  2. Não conhecia. Obrigada pela sugestão :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Tenho esse livro numa edição antiga, já peguei nele diversas vezes mas desisti sempre porque a narrativa é meio parada e só isso não me cativa.

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)