quinta-feira, 8 de julho de 2021

LIVROS || Humankind


Parece ser do consenso geral — principalmente, dos dias que correm — de que os seres humanos têm propensão para a maldade, o egoísmo e deslumbramento de poder. Há poucas coisas no mundo que reúnam a concordância da ciência, psicologia, filosofia e política quanto isto. O nosso mundo, a nossa política, economia e constituição alinham-se nesta máxima: não confiar no bom senso. Não cair na ilusão de que as pessoas farão o que está certo.
 
Rutger Bregman faz aquilo que eu acho de mais admirável em Humankind: abraça o espírito crítico e científico com que todos nós fomos ensinados a trabalhar e explora toda a documentação, experiências e literatura que parece corroborar com a maldade humana, apenas para mostrar o quanto estamos errados.
 
Não vou mentir, este foi um livro que li em constante resistência. Se por norma tento sempre ter espírito crítico nas minhas leituras, a minha sensibilidade para ler Humankind foi ainda maior. Mas em todos os capítulos, o autor tirou-me o tapete e refutou todas as minhas ideias. Confesso-me uma pessoa otimista, mas não há nada de otimismo neste livro: é realista, científico, articulado e meticulosamente estudado. Só assim o autor poder-se-ia defender por escrever um livro que vai contra a perceção global da sociedade.
 
Humankind não se limita a provar que o ser humano é bom, mas também demonstra como o nosso sistema político, económico e social está a perder e a prejudicar-nos por não reconhecer este facto. Embora não exista nada nas palavras de Bregman que seja inusitado — muito pelo contrário, todas as suas argumentações têm uma lógica e um raciocínio —, todo o conceito do livro é revolucionário. Iniciava cada capítulo com um pé atrás, mas terminava com uma onda de alívio e esperança, que me deu alento nesta altura em que os media e certas redes sociais aproveitam-se, oportunisticamente desta ideia enraizada do egoísmo humano. Terminei este livro a encerrar a minha conta no Twitter e a ter mais esperança no mundo — uma esperança realista, não idealista. Mas podemos fazer melhor. Começar por ler o livro pode ser um ponto de partida. Dos melhores que li este ano.

WOOK

Bertrand

Este artigo contém links de afiliado.

1 comentário:

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)