quinta-feira, 24 de junho de 2021

MUNDO || Processo Criativo


A criatividade costuma ser um tema cuja abordagem tem sempre laivos de genialidade, mistério (ou magia) e loucura. Por isso mesmo, não é surpreendente que seja encarada com um certo fascínio, já que parece resultar de um cocktail muitas vezes ‘difícil’ de formular e de sustentar.
 
Quando se fala do processo criativo — ou mesmo de um criativo — sinto que muitas vezes se remete a uma rotina de caos, lâmpadas que se acendem, alguma irresponsabilidade perdoada pela genialidade e, claro, algum elemento químico companheiro — deixo a vossa criatividade escolher o que vos ocorre primeiro.
 
Observo o rosto iluminar-se com uma malícia reguila quando partilho que faço parte de uma equipa ao serviço da criatividade. Uma projeção onde o sono é suprimido, a imaginação não é orgânica ou sóbria e o hemisfério esquerdo do cérebro não funciona. É desta fórmula que saem ideias fora da caixa, projetos brilhantes e estratégias sublimes.
 
Não podia ter uma visão mais contrária. O processo criativo é uma tarefa altamente aborrecida. E eu adoro-a. É um processo de repetição. Escrever, apagar. Escrever outra vez, apagar outra vez. Fazer mapas de palavras, ler, pesquisar, pensar. Sair da bolha e voltar. E deixar este encontro de pensamentos soltos, palavras aleatórias e estímulos inesperados operar ‘lá atrás no cérebro’.
 
Isso fascina-me. Sabemos muito pouco sobre os processos neurológicos que resultam nas ideias, na chamada criatividade. Mas temo-la. Mais expressiva em alguns do que outros. E sinto que este processo não reside na genialidade, não é dependente químico nem resulta bem no caos. Mas, efetivamente, algum parafuso tem de estar em desordem para que consigamos ver o mundo noutro ângulo.
 
Tenho milhares de ideias por dia. 98% ideias muito medíocres, os outros 2% a precisar de raciocínio para resultarem. A lâmpada, de facto, acende-se várias vezes, mas nem sempre a luz é forte. Desafio-me a sair dos lugares previsíveis para procurar ideias noutros espaços de inspiração. Acompanho pessoas que têm realidades de vida cabalmente diferentes da minha (não necessariamente melhores ou piores, apenas diferentes). E tenho uma rotina ""caótica"" de pousar a caneta e beber um chá na varanda, para deixar ‘a parte lá atrás’ do cérebro operar. E depois escrevo, e volto a apagar. Brinco com as palavras, cores e ângulos. É um puzzle, nem tudo encaixa, há arestas que têm de ficar de fora. Resultarão mais tarde, mais maduras, talvez.
 
Não há nada mais banal, aborrecido e fascinante do que um processo criativo. As pessoas mais criativas e geniais que tive o gosto em conhecer não se intitulam de génios, têm uma rotina organizada e são altamente metódicas. Trabalham todos os dias nas suas ideias (as boas e as miseráveis). Falham e começam de novo. Outra vez. Outra vez. E outra vez.
 
A criatividade não está na genialidade. Ou talvez a genialidade seja olhar o mundo num ângulo diferente e insistir para que essa visão resulte em alguma coisa. O quê, ao certo? Não sei. Mas está cá atrás no cérebro, a operar.

5 comentários:

  1. Textos que acabam por me fazer sair da minha bolha e pensar de outra forma! Obrigada, Inês 😊

    ResponderEliminar
  2. Adorei esta tua visão sobre a criatividade. Fez-me lembrar de uma frase que é algo sobre quando a imaginação chegar é bom que te encontre a trabalhar. Já não me lembro bem das palavras exatas, nem do autor. Mas é um conceito interessante. E bem real!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É do Picasso, mas a falar da inspiração: quando a inspiração chegar é bom que te encontre a trabalhar. Mas, no fundo, é um encontro do que referes :D

      Eliminar
    2. É mesmo isso. Procurei por criatividade e inspiração mas não encontrei. Obrigada *-"

      Eliminar
  3. E é uma área onde adorava trabalhar e que sempre me fascinou! O meu processo criativo - especialmente para os projetos onde me insiro, presentes mais personalizados e feitos por mim, conceitos e abordagens, jogos e dinâmicas que tenho de criar - partem muito do brainstorm, do inspirar-me no que já existe e foi feito e dar o meu twist e do escrever sempre uma ideia (por muito parva que seja). A criatividade trabalha-se (e muito), mas é igualmente o dom de conseguir olhar o mundo de outro prisma. E é incrível <3

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)