quarta-feira, 3 de março de 2021

LIVROS || O Monge que Vendeu o Seu Ferrari


Robin S. Sharma ficou na memória e coração do mundo inteiro através deste best-seller que muitos prometem ser um livro transformador. O Monge que Vendeu o Seu Ferrari apresenta-nos Julian Mantle, um ex-advogado, colega de profissão de Robin, que vivia uma vida de excessos e excentricidade, pautada pela obsessão pelo trabalho. Depois de um episódio decisivo na sua vida, Julian desaparece da vista dos seus colegas e Robin volta a encontrá-lo em circunstâncias que jamais imaginaria: monge, rejuvenescido e vivendo uma vida simples e humilde. O autor compromete-se, assim, em partilhar a conversa em que Julian revelou todo o seu percurso e as aprendizagens para a vida que retirou depois de uma transformação absoluta no seu modo de viver. 

Embora de narrativa muito simples, agradável e de fácil ritmo de leitura, não posso dizer que tenha terminado este livro arrebatada ou juntando-me aos demais que consideram ‘o livro da sua vida’. Com lições e analogias pertinentes, há um certo conforto no lugar comum mascarado de filosofia oriental que me soube a pouco (para não dizer a desejar). Em nenhum momento senti que este livro era autêntico: os timings do diálogo e o desencadeamento da conversa parecem oportunistas, e a regularidade com que o autor admite não compreender premissas simples para servir de gancho ao desenvolvimento da ideia traz uma sensação de imbecilidade e não de oportunidade. 
 
Não há absolutamente nada de incorreto nas partilhas do monge. São, aliás, muito importantes de adaptar ao nosso quotidiano e de as mantermos sempre presentes. Mas também não são surpreendentes — embora as analogias sejam originais. Não foi uma extraordinária surpresa mas não desaconselho a leitura. Recomendo a gestão de expectativas.

WOOK

Bertrand

Este artigo contém links de afiliados.

2 comentários:

  1. Este livro já me foi sugerido por várias pessoas, que dizem ser um dos seus preferidos, tal como mencionaste, pelo que já me senti tentada a lê-lo. No entanto, não me parece ser muito o meu estilo e depois de ler a tua opinião, fiquei ainda com menos vontade de o ler, pois sou muito crítica relativamente ao estilo de escrita e construção do enredo e, não sendo autêntico, sinto que não vale muito a pena.

    ResponderEliminar
  2. Finalmente alguém que partilha da mesma opinião que eu!

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)