sexta-feira, 15 de maio de 2020

SÉRIES || The Last Dance


Cresci a ver Michael Jordan na televisão — de uma forma e época completamente diferentes da minha mãe, é certo — e, para mim, tornou-se desde cedo uma inspiração e um símbolo de empenho e dedicação. Não é só no mundo do basquetebol que ele é uma referência mas, por ter convivido com esse universo, a sua marca ficou ainda mais presente no meu quotidiano. Claro que fiquei radiante quando a Netflix anunciou um documentário sobre o próprio. 

The Last Dance é uma série documental de 10 episódios que explora a carreira de Michael Jordan e a diferença que fez no mundo, no desporto e num clube que se encontrava à beira do abismo. A série conta com gravações exclusivas da sua época no Chicago Bulls entre os anos 80 e 90 e talvez isso seja o ponto alto da série, uma vez que estes clipes estão extraordinariamente bem encaixados com as entrevistas atuais ao jogador e a outros intervenientes de máxima importância na carreira de Jordan e no sucesso dos Bulls, como Pippen, Rodman e o treinador Phil Jackson.

É fácil demais dizer que esta é puramente uma série sobre basquetebol (e, em muitos aspetos, é). Mas é também uma série sobre sermos obcecados por aquilo que temos paixão em fazer, sobre escolher batalhas — e assumir as consequências das que descartamos — e sobre o quanto nenhuma equipa, nenhum colectivo (em qualquer vertente e não só apenas na desportiva) brilha só com um homem talentoso. As curiosidades, escândalos e desabafos que envolveram um jogador que, mesmo com a carreira encerrada, ainda inspira milhões de pessoas é absolutamente fascinante para uma miúda como eu, que sempre cresceu a admirá-lo. A série prima também por ser uma verdadeira obra de arte de fotografia e edição que merece uma oportunidade da vossa parte.

Ainda não a terminei mas tenho a tradição de assistir com a minha mãe. A culpa é inteiramente dela que, quando eu era pequenina, dava-me o iogurte do lanche enquanto assistia aos recaps dos jogos, que me passou todas as t-shirts dela, que, inclusive, me ofereceu uns Air Jordan, que me passou os posters todos destas individualidades que, embora não sejam do meu tempo, para mim e para o universo em que cresci, é como se fossem. Eu cresci com Jordan, Pippen, Rodman, Bird e Magic Johnson e vê-los neste registo tão sincero, profissional e bem executado é um privilégio.

1 comentário:

  1. Michael Jordan para mim significa isto: "Space Jam". Adorava o filme é as músicas, até tinha o cd. Numa altura em que se compravam as OST!

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)