quinta-feira, 9 de maio de 2019

BOM GARFO || The Church

 DUBLIN

Já tive o (enorme) privilégio de poder visitar restaurantes incríveis, que se destacam não só pelo mérito dos seus sabores e pratos mas também pelos espaços que lhe dão uma cara e uma casa. Mas arrisco-me dizer que nunca antes tinha vivido uma experiência tão original quanto esta: fazer uma refeição no interior de uma igreja.


The Church resultou da recuperação da igreja St. Mary, fundada em 1697 e que fechou portas em 1986, acabando por ser abandonada e completamente vandalizada. Desenganem-se se pensam que esta igreja, entregue às ruínas até 2007 — ano em que foi restaurada e convertida num restaurante —; era só mais uma igreja entre as várias em Dublin; The Church está cheia de história e muito bem homenageada.



Foi terminada pelo mesmo arquiteto que conduziu a biblioteca de Trinity College, Thomas Burgh, e foi nesta igreja que Sir Guinness se casou — razão pela qual encontram um busto no interior. O célebre compositor Händel — que compôs esta música que toda a gente conhece e canta em momentos de alívio — vivia muito perto da igreja e visitava-a frequentemente para tocar no enormíssimo orgão que ainda ali está instalado e que podem admirar — no entanto, necessita de restauração e uma parte das receitas do restaurante visa reverter para esse objetivo. A igreja foi, também, pioneira em inúmeros elementos arquitetónicos em Dublin, porém, não era bem recebida, em geral, pelos seus residentes. Quando St. Mary Street se tornou num local mais comercial e menos residencial, a igreja cedeu e acabou por fechar portas, ficando entregue à decadência. Porém — e porque este lugar é absolutamente cheio de factos curiosos e fascinantes —, até ter sido recuperada, era a igreja com o interior preservado mais antiga de Dublin, e muitos desses elementos foram mantidos, aquando da sua restauração.



The Church nasceu, assim, como um espaço de restauração e bar, estando o bar centrado na nave e a área do restaurante, mais sossegada e tranquila, no segundo andar, com vista privilegiada. O ambiente é paradoxal e absolutamente estimulante: por um lado, toda a arquitetura e todos os elementos permanecem inalterados e temos a confirmação total de que estamos numa igreja; por outro lado, o ambiente é de convívio, entre pessoas a conversar e a rir, empregados a trocar indicações, sapateado celta num palco improvisado e música acústica ao vivo.

Perguntei-me muito como é que um projeto altamente audaz e talvez um pouco polémico podia nascer numa cidade tão conservadora e religiosa, como Dublin. Mas, no final, a igreja serve o seu propósito, mesmo que não tenha um vínculo religioso: unir pessoas, estreitar laços, recordar bons momentos e lembrar, com carinho, os que já não estão cá para partilhar a experiência. Promover o afeto e a comunicação. E mesmo os propósitos comerciais acabam por vir em boa hora: trouxeram de volta uma finalidade a uma igreja cheia de História (e de histórias) que mais ninguém quis recuperar e glorificar. Sentei-me numa das mesas do restaurante com a sensação de que tudo fazia sentido.


Acabámos por selecionar o menu de degustação Händel e aproveitar a diversidade de pratos para partilhar e experimentar. De entrada, veio para a nossa mesa uns wild atlantic chilly & garlic tiger prawns, roaring bay mussels e um baked Irish goats cheese wrapped in prosciutto. Apenas não provei os mexilhões, porque não gosto, mas as restantes entradas estavam absolutamente deliciosas, sendo a dos camarões a minha preferida!



Para prato principal, provámos o prime Irish tender fillet steak — o meu pedido —, prime sirloin steak e roasted rump of slaney valley lamb. Tudo estava no ponto; a carne estava tenra, os molhos temperados, os ingredientes frescos. Admito que não fiquei fã do puré — o que é quase irónico, visto que a Irlanda é a terra da batata! — porque estava um pouco seco e eu sou mais apreciadora da consistência cremosa e leve. Mas todos os elementos combinados proporcionaram um jantar excecional!




As sobremesas foram compostas por um chocolate fondant divinal, Baileys Irish cream cheesecake e um warm chocolate & cherry brownie. Os doces perfeitos para terminar esta experiência em grande.






Terminámos a nossa refeição visitando a torre da igreja, cujo o chão pertencia ao Adelphi Cinema/Theatre, que foi palco de inúmeros artistas como The Beatles, Rolling Stones, Louis Armstrong, The Dubliners, Bee Gees, Ella Fitzgerald (...). Uma outra curiosidade acerca de The Church é que o armazenamento das bebidas é feito numa pequena casa do outro lado de St.Mary Street e o trajeto entre a igreja e a casa é feito de forma... subterrânea! Isso significa que, se pedirem alguma bebida, podem ter a certeza de que ela viajou por baixo da cidade!
Foi uma experiência totalmente original e, embora não seja uma refeição, de todo, acessível, recomendo-vos muito que visitem The Church. O serviço de bar está sempre disponível e acaba por ser uma opção mais em conta para poderem desfrutar na mesma da experiência com toda a qualidade. Também existem tours mas, sinceramente, o que vos recomendo é que entrem, escolham algo para beber e explorem o lugar ao vosso ritmo. É totalmente único!
______________________________
Junction of Mary St. and Jervis St., D01 YX64
Dublin
Contato: +353 182 801 02

1 comentário:

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)