terça-feira, 16 de abril de 2019

PASSAPORTE || Great Famine Memorial


Do alto do nosso privilégio, é um pouco insólito imaginar um mundo onde a maior causa de morte era a fome. Hoje em dia, morremos precisamente pela epidemia contrária mas, durante praticamente toda a História da Humanidade, a fome era um medo que perseguia as populações como uma sombra. O assunto sempre me sensibilizou. Não ter garantias de quando, como e o que vamos comer hoje e amanhã é um assunto arrepiante que nunca nenhum de nós viveu — pelo menos, não como eles viveram — e foi desta forma que eu admirei cada traço deste Memorial: grata por não saber sequer imaginar o que é passar fome.

Entre 1845 e 1849, a Europa foi assolada por uma onda de fome e doenças resultantes da contaminação, em larga escala, da batata, um alimento que estava na base diária da alimentação de toda a população, especialmente nas comunidades mais empobrecidas, que dependiam deste tubérculo para sobreviver. Aliado à situação política, económica e social precária do país — especialmente nas suas relações com o Reino Unido — a Irlanda tornou-se num dos países mais afectados por esta contaminação, sendo de tal forma um período negro que resultou em mortes e emigração em massa. A época denominou-se, assim, A Grande Fome.

É uma das principais razões por existir uma comunidade tão forte de Irlandeses nos Estados Unidos e no Canadá e, ainda hoje, é um período trágico abordado com muito respeito, sensibilidade e algum debate polémico, nomeadamente, a ajuda tardia e pobre por parte de Inglaterra. Os dados são emocionantes e catastróficos: um milhão de mortos; mais de um milhão de irlandeses que precisaram de fugir das suas casas à procura de um lugar, uma vida, um país melhor. Uma fatia generosa da população Irlandesa decrescida.

A fome, o abandono e a pobreza estão, infelizmente, muito enraizados na cultura Irlandesa, ao longo dos séculos. Porém, A Grande Fome foi um dos períodos mais negros da História. O país optou por o recordar para sempre na forma de um Memorial simples, mas muito cru, em Dublin, à beira-rio. O aspecto decadente e desesperado das esculturas representadas não passa despercebido, assim como o olhar sem a mínima esperança.

Confesso que não acompanho a série televisiva Victoria mas, há um ano, assisti a um episódio que se referia precisamente à Grande Fome da Irlanda e esta cena final, ainda hoje, me emociona. Acho que transmite na perfeição todo o contexto desta catástrofe. Também demonstra, como já a História tem vindo a provar, que com grandes atos de terror, vêm grandes atos de Humanidade. A música, um cover de uma canção tradicional irlandesa cuja letra é, precisamente, sobre A Grande Fome, está repleta de significado. Assistam, vale a pena.

1 comentário:

  1. É daquelas coisas que não consigo mesmo imaginar como seja...só consigo pensar que será desesperante, não ter algo tão essencial e que tomamos por garantido. São estas coisas que nos fazem repensar a nossa sorte...

    Jiji

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)