domingo, 31 de março de 2019

FILMES || Março • 2019

Custa-me muito quando descubro uma história cheia de potencial e um guião fraquinho — e ainda pior quando me dizem que o livro não supera o filme. A ideia era genial: o mundo inteiro está a ser contaminado por algo misterioso que parece ser invisível mas que podemos escutar e sentir. Ao estarem expostas, as vítimas entram numa transe melancólica onde o único consolo possível é a morte e, portanto, suicidam-se — de forma brutal, se necessário. Bird Box é protagonizado por Sandra Bullock, que é imediatamente socorrida por um grupo de desconhecidos que se refugia no interior de uma casa e compreendem que a única forma de sobreviver é vendarem os olhos.
Tinha tudo para ser um filme de suspense incrível, mas existe uma linha muito ténue entre o mistério agradável e a omissão prejudicial de informação. Terminei o filme com a sensação de que era misterioso demais e com pontas soltas excessivas. Talvez a história tivesse resultado melhor em série. Assim, é só um argumento que tinha tudo para ser bom e que se torna num filme de suspense engraçadito.

Uma comédia romântica original da Netflix que conta a história de Abbie e Sam, ambos o primeiro amor um do outro e a única relação onde já estiveram, crescendo juntos e ultrapassando cada etapa em conjunto. Porém, agora noivos, Abbie descobre que tem um cancro terminal e, entre todas as emoções devastadoras que a invadem, a sua preocupação com a perda e inexperiência de Sam para se relacionar com outras mulheres passa a ser a sua prioridade número um, procurando a parceira perfeita para ele, depois de se ir embora.
Tem tudo para ser uma mega dramalhada, não é? Mas é tão quentinho no coração. É uma verdadeira comédia romântica mas, acima de tudo, é uma abordagem incrível sobre o cancro — se é que tal frase faz sentido. Sem paninhos quentes e com muito humor — aquele humor gostoso. Reflecte de uma forma muito real, mas com uma leveza quase paradoxal, tudo o que uma doença como o cancro (especialmente terminal) traz no quotidiano, desde as coisas mais pequenas e insignificantes às mais importantes, como a relação com os familiares e com os tratamentos. Tem também óptimas referências em relação aos grupos de apoio — e a sua importância —, já para não falar do plot principal da história. Não é um filme pesado, embora o tema o seja e, mesmo deixando-nos de coração apertadinho, é um filme onde sorrimos e compreendemos a importância da lealdade no amor.

Fragmentado
Split é um filme de suspense que nos apresenta Kevin, um homem diagnosticado com um transtorno dissociativo de identidade, ou seja, um indivíduo com múltiplas personalidades — 23, neste caso. Todas com nomes, idades, gostos e comportamentos completamente diferentes que apenas têm como elo comum partilharem o mesmo corpo. Duas dessas personalidades decidem raptar três jovens sem deixar qualquer pista do seu paradeiro. As restantes identidades procuram ajuda — não só para salvar as jovens indefesas mas para salvar o próprio Kevin.
Devo admitir que a história em si — especialmente quando se discutia o caminho sobrenatural — não me deixou rendida, mas a exploração do transtorno em si, sim. Tinha um conhecimento vago acerca dele mas não fazia ideia de uma série de particularidades que tornam o transtorno tão intrigante e confuso. O filme funciona como uma sequela discreta para o pioneiro, de 2000, Unbreakable — que não assisti — mas gostava muito de ver este transtorno mais retratado e personificado num contexto menos macabro porque é muito curioso. De destacar a prestação de James McAvoy, que personificou todas as identidades de forma brilhante e detalhada.

Dumbo
Embora deteste o universo do circo — mesmo em miúda — o Dumbo sempre recebeu todo o meu carinho e atenção. Neste relançamento, com realização de Tim Burton, a Disney procurou desenvolver um pouco mais a história deste pequeno elefante voador, acrescentando mais detalhes, reviravoltas e personagens, mas sem esquecer os detalhes e cenas célebres que ainda hoje vivem na nossa memória (sim, incluindo aquela cena tripada dos elefantes!). Numa actualidade que tanto grita por mensagens de autenticidade, o filme responde à tendência e deixa mensagens claras sobre aceitarmos as nossas diferenças e as usarmos a nosso favor, relembra a importância de lutarmos contra a crueldade animal, reforça o valor da família — a de sangue e a que escolhemos — e de acreditarmos em nós próprios. No fim, este novo filme do Dumbo privilegia a história principal que o original de 1941 já entregava tão bem (e que é o que me faz adorar um filme no mundo das artes circenses): o amor de mãe e filho. E o que somos capazes de fazer por esse amor.

3 comentários:

  1. Tenho visto criticas ao " Às Cegas " no entanto não sou grande fã da Sandra Bullock, e não me parece que vá superar o genial " Ensaio sobre a Cegueira "
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso garanto que não supera! (nem o livro, nem o filme) :)

      Eliminar
  2. Quero ver o "às cegas" e o Dumbo!! O Dumbo em primeiro lugar ahaahah

    Beijinhos
    THAT GIRL | FACEBOOK PAGE | INSTAGRAM | TWITTER

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)