quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

PASSAPORTE || Monte das Aranhas


Um fim de semana off. Era tudo o que precisávamos. De um pulinho, de um pequeno refúgio aqui perto mas suficientemente longe. Neste fim de semana, consultei zero e-mails, enviei um número de mensagens que posso contar pelos dedos de uma mão, consultei as redes sociais uma vez — e já no regresso. Conta? — e estivemos completamente desligados do mundo, das notícias e das tendências da atualidade. Mas mais ligados do que nunca ao que realmente importa.


Uma escapadinha ao Alentejo. É um destino que se aprende a gostar com a maturidade, não é? Se na infância e adolescência o lugar me fazia procurar desesperadamente pela palavra 'piscina' e me levava a suspirar pela ausência de dinâmica e pela lentidão que lhe é conhecida, hoje, sei que é o destino ideal para praticar o estreitamento de laços, a languidez de um momento de leitura à sombra, o desfrutar do dia sem planos. Aprendemos a apreciar o Alentejo porque nos identificamos com a sua necessidade de permanecer caloroso, pouco barulhento, sem excesso de estímulos e num ritmo aprazível.

O Monte das Aranhas — e se têm aracnofobia num grau severo, como eu, saibam que não vi nem uma, mas recomendo-vos que, se quiserem googlar, peçam a alguém que não tem medo para filtrar a pesquisa! — foi a nossa escolha para este pulinho, por várias razões que estou prestes a relatar — e vocês a ver!


Está no meio do nada e nunca esta descrição foi tão agradável. Ali entre o Vimieiro e Estremoz, com vista privilegiada para o castelo de Évora Monte — um detalhe especial que não me passou despercebido uma vez que o primeiro livro a sério que li foi Uma Aventura em Évora Monte e sempre guardei com carinho e curiosidade o castelo. Que coincidência bonita! —, rodeada de campos de perder de vista com oliveiras, sobreiros e uma vinha gigantesca. Uma guesthouse que nos recebeu aos dois e a apenas mais um casal com quem raramente nos cruzámos, o que nos deu a sensação de que tínhamos uma casa inteira só para nós — a sensação perfeita e pela qual tinha menos esperanças de que acontecesse, já que tínhamos feito a reserva para o fim-de-semana logo após o dia de S. Valentim. O número de quartos é reduzido mas a casa, essa, é um verdadeiro sonho campestre.

Foi — e ainda está a ser, em alguns detalhes — totalmente renovada. As paredes e móveis repintados, os espaços redecorados, procurando manter-se na vanguarda do bom gosto e este foi um pormenor que nos agradou muito. Apreciamos espaços que não se deixam consumir pelo tempo e que procuram manter-se intemporais mas modernos e o Monte das Aranhas conseguiu-o, privilegiando o tom branco e os apontamentos de cor, que nos remetem sempre para os dias de verão despreocupados.


O quarto. Os detalhes. Não era muito grande, mas era tudo o que precisávamos. Uma cama grande e confortável. Um mosquiteiro adorável que me fez sentir que estava nuns aposentos de princesa. Os livros à cabeceira para reforçarem o conceito de uma escapadinha no Alentejo e para darem uma mãozinha a quem tudo leu antes do tempo — ou nada trouxe. Os detalhes que ligavam com as restantes divisões da casa, essas sim, espaçosas.




A cozinha tinha um aspeto familiar. Talvez pela mesa grande e pelos bancos suecos. Talvez por, depois de um acordar sem horas, nos termos todos reunido quando o pequeno-almoço foi servido — simples, mas com tudo o que era preciso: padaria, bolo caseiro, iogurtes, bebidas quentes, manteigas e compotas, fruta (...) — ou pelo convite a preparar as refeições por aqui — coisa que fizemos, ao jantar.




As salas. Recantos com o seu propósito. Um salão principal com sofás de pele e uma lareira generosa com recordações de outros tempos e épocas; uma sala mais pequenina, com televisão, uma salamandra e alguns DVDs para uma sugestão de domingo à noite; e (a minha preferida) uma sala de leitura com lareira, uma estante impressionante com música, (mais) livros, poltronas confortáveis, mantas, uma mesa de chá e café e a porta de saída para um jardim maravilhoso, não sem antes colocar um chapéu de palha. Se se esquecerem do vosso, não há problema; o chapeleiro atrás da porta está repleto deles!






O jardim. De relvado verdejante, com espreguiçadeiras improvisadas, uma mesa de refeições exterior — e o quanto imaginei um almoço de verão em família, ao nosso jeito, por ali — e uma piscina que certamente faz as delícias no calor. Mas, talvez, o que gostei mais foi do alpendre. Da sombra do alpendre, onde nos podíamos recostar e ler um livro ao som do canto dos passarinhos e da brisa agradável — mesmo no Inverno. Era ali que me podiam encontrar, entre páginas folheadas e pequenas sestas. Era ali que queria ficar para sempre.


Guardei o melhor para o fim. Os patudos que por lá andavam. Abandonados por caçadores que já não lhes viam serventia — que crueldade... — e resgatados pela gerente do Monte das Aranhas, eles por lá circulam, nos espaços exteriores. Para eles, esta não é uma guesthouse; é a sua casa, a sua oportunidade de serem felizes, e recebem-nos com muito gosto. Por lá, andava um basset hound, um outro patudo cuja raça não identifiquei, uma gata anã para lá de amorosa e — pasmem-se! — dois rafeiros do Alentejo! Duas Belkas amorosas cravavam mimos e olhavam para nós com o seu olhar Calimero irresistível. É sempre injusto escolher preferidos, mas vocês sabem quem foram os meus companheiros prediletos, certo? No entanto, era a Oli — nome com que batizámos a gatinha, uma vez que ela não tinha nenhum — que mais me fazia companhia entre leituras, dormitando no meu colo e no ombro.
É por isto mesmo que o espaço é pet friendly e que podem levar os vossos animais de estimação convosco. Há espaço suficiente para brincarem, passearem e também eles desfrutarem do espaço!



Um fim de semana a dois, sem grandes aventuras turísticas mas com muita leitura à lareira — todas estavam acesas, que gostoso! — passeios ao Sol por entre os caminhos improvisados no campo, descanso e conversas de fazer perder noção do tempo entre os (a)braços que mais gostamos. Fazer as malas e regressar à civilização é sempre agridoce — eu gosto tanto da cidade, mas estes momentos são tão bons para mim...! — mas levamos sempre connosco o tempo a dois, as memórias, os pequenos momentos doces que retiramos de visitas especiais como esta. Se procuram um espaço semelhante — ou uma escapadinha do género — não podia recomendar mais. Uma verdadeira experiência no Alentejo, com todos os privilégios.

4 comentários:

  1. Fui espreitar os preços e fiquei surpreendida, são acessíveis.

    As fotografias estão espectaculares!

    ResponderEliminar
  2. Fiquei encantada, tanto com o que descreveste como com as fotografias. Parece-me mesmo o ideal para uma escapadinha e para quem gosta tanto de tranquilidade e Natureza como eu, sendo mesmo uma opção de considerar no futuro.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Excelente sugestão, Inês! Está na minha lista de lugares a visitar :) Obrigada!

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)