terça-feira, 18 de dezembro de 2018

FILMES || Bohemian Rhapsody


Necessito de introduzir esta publicação com uma confissão um tanto quanto polémica: nunca fui super entusiasta por Queen. Na verdade, a minha relação com a banda é um tanto quanto curiosa porque nunca me assumi como fã mas sei as letras de todos os seus sucessos. E isso deve-se não só à popularidade inquestionável das canções, como também a duas culpadas principais: a minha mãe e uma das minhas melhores amigas, Raquel, ambas fãs incondicionais. Cresci com a minha mãe a cantar todos os refrões a plenos pulmões e a introduzir-me no mundo do Rock e a Raquel... bom, o seu mp3 só tinha músicas dos Queen, assim como a sua escolha no Singstar era sempre previsível. Criei uma amizade cordial com a banda, sem emoções particulares à exceção de uma música que sempre gostei muito e não me deixava indiferente: nada mais, nada menos do que a que dá título ao filme, Bohemian Rhapsody.

Bohemian Rhapsody procura contar a história de como nasceu e cresceu uma das maiores bandas do mundo, cujas músicas ainda hoje são escutadas, comovem os seus ouvintes e geram novos fãs de todas as gerações.
Numa produção que não procura ser biográfica — e que tem sofrido duras críticas relacionadas com a invenção de alguns momentos da história ou com a desordem cronológica que, na minha opinião, não compromete a narrativa da história ou a credibilidade da banda — e que faz uma caracterização de mestre, não só em todo o elenco, como também naquilo que Queen sempre se definiu, dentro da ausência propositada de definição: uma banda muito experimental, com forte paixão pelo instrumental e com um Freddie Mercury irreverente (na personalidade e na voz) a protagonizar os palcos e a dar a identidade louca e lendária que predomina no DNA do grupo.

Com os principais êxitos a servir como elementos-chave de cada capítulo da história, admito: foi a minha parte preferida de um filme incrível. A produção de melodias sempre me fascinou, e saber como nasceram estes hinos intemporais é absolutamente intrigante, para mim. Com um balanço harmonioso entre a história da banda e a história de Freddie, reconheço que assistir a este filme permitiu-me escutar as músicas com outro carinho e atenção: criei, finalmente, empatia com Queen.

Bohemian Rhapsody torna-se, assim, imperdível para assistir no cinema — ou num qualquer lugar com um equipamento de som extraordinário —, não só pelas cenas de concerto e estúdio totalmente arrepiantes mas também para nos deixarmos prender com a história de quatro elementos carismáticos e extravagantes que acreditaram que podiam mudar o mundo com a sua música. E conseguiram.

2 comentários:

  1. Como admiradora da banda, achei o filme incrível!

    ResponderEliminar
  2. Eu gostei imenso do filme, e sou mega fã dos Queen, mas confesso que tinhas as expectativas muito elevadas e talvez tenha tido alguma influência na minha opinião final. Mas a verdade é que não fiquei totalmente satisfeita com o filme, apesar de ter gostado de o ver, isto porque existiam vários lapsos muito notórios durante o filme e apesar de o Freddy ser ter sido, sem qualquer dúvida, a figura emblemática da banda, o filme pareceu mais uma biografia dele do que da banda. Neste sentido acho que podiam ter explorado um pouco melhor outros pormenores e não tanto a vida de apenas um membro. Mas tirando alguns pormenores que não me permitiram ficar enfeitiçada pelo filme, a banda sonora foi fantástica, as representações foram mesmo excelentes, e o pormenor de terem usado algumas filmagens reais no final do filme foi de génio.

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)