quinta-feira, 25 de outubro de 2018

ISTO É TÃO INÊS || 7 Coisas que (Só) Eu Gosto


Depois de ter partilhado convosco as sete coisas que me fazem ficar excluída do sociedade e de ter recebido o vosso divertidíssimo feedback, achei que também fazia sentido partilhar o contrário. Afinal de contas, também há coisas que dizemos apreciar e que todos olham para nós com cara de caso. E, uma vez mais, isso também pode ser incrível por representar as nossas características únicas. Certamente que não sou a única no Universo a gostar destas coisas e tenho a certeza de que vou encontrar, desse lado, alguém que aprecie algumas destas coisas — se encontrei para o contrário, tudo é possível! — mas, regra geral, sempre que partilho que gosto destas particularidades, não encontro, de imediato, um parceiro para as partilhar.

Portanto, partilho convosco sete coisas que eu adoro e mais ninguém gosta. Vamos lá ver, agora: são mais parecidos comigo ou com toda a gente?

Chuva e trovoada | Eu sei, eu sei que muita gente adora e que não é assim tão único. Não sou 'diferentona'. Mas a verdade é que muita gente detesta também, especialmente a trovoada. A sensação de insegurança, o barulho deixa muita gente desconfortável quando, em mim, provoca o efeito contrário. Acho relaxante e se estiver deitada na cama, embala-me por completo. Mesmo em dias de trovoada mais intensos, em que o céu parece rugir, sinto-me confortável, hygge.

Almofadas fininhas/não ter almofada | A ideia de dormir com uma pilha gigantesca de almofadas nunca foi para mim. Não consigo conceber, sequer, dormir quase sentada. Eu amo dormir de barriga para baixo e sou muito apreciadora de almofadas fininhas e moles, que não erguem o meu pescoço. Na realidade, a maior parte das vezes, durmo sem qualquer almofada, com a cabeça pousada diretamente no colchão. Basta ter uma almofada mais alta e sinto o meu pescoço dorido. Fica garantido que será uma noite terrível. Há muita gente que goza comigo e diz que sou a 'Princesa Ervilha', mas que fazer? Adoro sentir que estou realmente deitada!

Ver filmes 'aos bocadinhos' | Raramente vejo um filme todo seguido, como uma pessoa normal. Abro exceção no cinema, evidentemente, nos filmes da Disney e Harry Potter e em casos muito raros em que me vi totalmente entregue ao filme, mas são mesmo poucos os filmes que eu não vi 'aos bochechos'. Regra geral, a ideia de passar algumas horas seguidas sem fazer nada, a olhar para uma obra que pode não me agradar, desencoraja-me. Outras vezes, estou tão cansada que já nem presto atenção ao filme, mesmo estando a gostar. Porque eu pauso filmes que gosto ou estou a gostar também! E volto a ver quando me apetecer. No dia seguinte, se tiver iniciado o filme já muito tarde no dia anterior. Ou noutra hora do dia. Às vezes, demoro alguns dias só para ver um filme. E não me perco, não sinto que me faltem detalhes. Pelo contrário, quando estou a ver o filme, sei que estou totalmente empenhada na atividade. Bem sei que estão com cara de caso. E os cinéfilos já queimaram o meu blog. Sei que é, provavelmente, o traço mais difícil de compreender, mas faço imenso.

Fazer coisas sozinha | Se há algo que valorizo, é o meu tempo e espaço pessoal. Eu realmente necessito dele e isso faz com que também consiga apreciar — sem vergonha, sem medo do que os outros vão pensar — fazer muitas coisas sozinha. Ir ao café sozinha não me intimida. Prefiro almoçar sozinha do que inventar uma companhia de conveniência só para não parecer mal (embora eu aprecie muito, como sabem, partilhar mesa. Mas com pessoas que goste e façam sentido!). Já fui a concertos sozinha. Gosto mais de ir às compras sozinha do que acompanhada. Aprecio muito passear por uma cidade que estou a visitar sozinha, com a minha música, para fazer um reconhecimento mais pessoal. E prefiro ir ao cinema sozinha que acompanhada. Não significa que não goste de todas as vezes que vou ao cinema acompanhada — aliás, a maior parte das vezes vou acompanhada e adoro — mas ir sozinha ao cinema faz imenso sentido, na minha opinião, porque não é uma experiência que, no momento, realmente dividam com alguém. Conversam antes, conversam no fim. No filme, não. E nesse sentido, acho que há experiências mais enriquecedoras para se fazer em conjunto. Adoro estar sozinha com as minhas pipocas e saborear o filme. Se me virem sozinha, pena é a última coisa que precisam de sentir porque estou (mesmo!) bem. E acho que é o facto de apreciar fazer tantas coisas na minha companhia que torna possível eu ser uma companhia melhor para os outros. Não tenho paciência para deixar de fazer ou viver só porque os outros não fazem, não vão, não querem ou não podem.

Acordar cedo | Quanto mais cresço, mais adoro acordar cedo. Ouvir o despertador e desligá-lo à primeira não me custa. Fazer ronha cada vez sabe melhor enquanto faço algo que me dá prazer, em vez de ficar enfiada na cama. E a sensação de que, quanto mais cedo acordar, melhor aproveito o dia dá-me uma satisfação indescritível. Acordar tardíssimo não funciona comigo. Não só reparo que fico com um humor pior como também fico mais preguiçosa e sinto o dia a escapar-me das mãos. Claro que há dias e semanas em que realmente gostava, e gosto, de ficar mais um pouco na cama a desfrutar — especialmente no Inverno. Mas, regra geral, sou muito matinal.

Mudanças automáticas | Não compreendo o que há para não gostar nas mudanças automáticas. 'É estranho.', certo, mas o que é estranho? Não ter de dançar o punho num manípulo? Só usar um pé? Há anos que tento perceber o lado de quem não gosta de mudanças automáticas (juro que tento mesmo), mas não tem grande lógica, para mim. Dizer que é confuso ou estranho parece-me mais apropriado para um carro em que tenhamos imensas funções para desempenhar, e não um que as facilita.
Claro que sei porquê. Aprendemos a conduzir num carro com mudanças e, em princípio, é num carro com mudanças normais que vamos contactar com mais frequência. Mas nada me dá mais prazer de conduzir do que um carro de mudanças automáticas. Sinto-me mais segura, mais atenta a outros pormenores da estrada e é tão mais confortável! Foram feitos para mim, totalmente. Dei-me bem com o meu carro desde a primeira vez que o conduzi, e não me fez qualquer confusão. 'Conduzir com mudanças automáticas não é conduzir', é um outro argumento que não compreendo. Considero-o apenas retrógrado (suponho que os cocheiros diriam o mesmo dos primeiros carros?). Carro com mudanças automáticas mudou a minha vida e não me imagino a conduzir (feliz) de outra forma.

Trigonometria | Quis trazer uma memória querida de escola, nesta lista. Sempre ouvi dizer que, em trigonometria, ou és barra ou odeias e falhas redondamente. Não há meio termo para esta área da matemática, tipicamente reservada aos triângulos, aos ângulos, aos quadrantes, às equações trigonométricas, às funções. Eu amava e era realmente boa a trigonometria. A única área da matemática onde realmente vingava. Escusado será dizer que a maior parte odiou. Enquanto eu me deliciava com um novo desafio, os restantes reviravam os olhos. Enquanto eu torcia para que o teste tivesse muita trigonometria, os meus colegas gritavam 'Que horror!'. Mas eu adorava, mesmo. E tenho a certeza de que passei no meu exame nacional graças ao capitulo inteiro de trigonometria (imagino a cara do meu corretor ao ver um exame miserável e, de repente, no capítulo de trigonometria, ter tudo certo. Deve ter confirmado a letra trinta vezes). Sempre achei curioso esta particularidade porque nada na matemática entrava de forma fluída em mim. Tinha sempre de treinar muito e de ouvir muitas explicações para chegar à superfície do conhecimento. Mas se adicionassem um elemento novo para dificultar, eu patinava. Mas em trigonometria, mergulhei profundamente e não havia nada que eu não compreendesse. E isso fez-me sentir tão orgulhosa e feliz, na altura. Hoje, há poucas coisas que recordo — julgo eu, que nunca mais lhe mexi — mas guardo com muito carinho e satisfação esta matéria que ninguém gostou e que eu fazia de olhos fechados.

14 comentários:

  1. Adorei conhecer um pouco mais de ti Inês! A trovoada não me cativa de todo, as almofadas fininhas fazem-me confusão e gosto de ver os filmes na hora! De resto somos bastantes parecidas. Valorizo imenso o meu tempo e gosto imenso de estar sozinha!
    Beijinho, Ana Rita*
    BLOG: http://www.margheritablog.com/ || INSTAGRAM: https://www.instagram.com/rititipi/ || FACEBOOK: https://www.facebook.com/margheritablog/

    ResponderEliminar
  2. Em algumas coisas somos parecidas. Também adoro chuva e trovoada, principalmente se estiver em casa. Durante muitos anos fui obrigada a dormir sem almofada por causa da escoliose, e agora é algo que ainda faço.
    Um beijinho grande*
    Vinte e Muitos

    ResponderEliminar
  3. Quanto à parte de acordar cedo e gostar de trovoada e chuva ,estamos juntas.
    Sou igualzinha!
    Beijinhos :)
    https://www.dailyvlife.com

    ResponderEliminar
  4. Tirando dormir com almofadas fininhas e o gostar de chuva e trovoada, identifico-me bastante com o que descreveste, principalmente no acordar cedo e ver filmes aos bocadinhos

    ResponderEliminar
  5. Mais vale só que mal acompanhada :) sou filha única e por isso sempre fui muito independente, viajar sozinha é algo que me deixa tãooooooo feliz !!!!
    Também durmo de barriga para baixo e com uma almofada "folha de papel" :D
    Beijinhos

    Fofurices Triviais

    ResponderEliminar
  6. Também gosto de trovoada e de fazer coisas sozinha! :)

    ResponderEliminar
  7. Fazer coisas sozinha e acordar cedo também estariam na minha lista.:p

    Another Lovely Blog!, https://letrad.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  8. Hum... gosto também de chuva e trovoada, mas apenas quando estou em casa, no meu canto seguro e confortável. Aquilo em que mais me identifiquei contigo foi mesmo o gostar de passar tempo sozinha, em diversas coisas! E, tal como dizes, não é por não gostar de companhia, é porque, simplesmente, gosto de estar comigo e às vezes sinto mesmo essa necessidade! E, claro, gosto de acordar cedo para que o dia seja mais rentável!
    Beijinhos *

    ResponderEliminar
  9. Sempre bom conhecer-mos um bocadinho de alguém.
    Chuva e Trovoada - Check (se estiver em casa)
    Fazer coisas sozinha - Check

    ResponderEliminar
  10. "Não tenho paciência para deixar de fazer ou viver só porque os outros não fazem, não vão, não querem ou não podem." - isto é tão eu! Por causa disso também faço imensas coisas sozinha. Não me faz confusão nenhuma ir sozinha a algum café ou restaurante, ou mesmo a um concerto. Até prefiro, como tu, ir sozinha às compras.
    Também adoro ouvir a trovoada e acordar cedo. Detesto acordar tarde, fico com muito menos energia e o dia não rende nada.
    Em relação às mudanças automáticas: obrigada!! És a primeira pessoa que concorda comigo neste aspecto :D O meu carro é automático e toda a gente franze o nariz, goza, diz que não sei conduzir, e outras coisas que tais. E tudo isto porque só uso um pé?! God xD Se me sinto confortável e segura e se consigo ser independente assim...então o que interessa ser um carro automático? Dizem-me que assim não dá gozo, mas eu realmente não compreendo este argumento. Acho, pelo contrário, que dá muito mais gozo porque a condução se torna muito mais fácil. E eu sou adepta precisamente disto: da facilidade, do conforto, de me sentir segura. Quero lá saber se só uso um pé e se não sei fazer pontos de embraiagem xD O que me interessa mesmo é poder deslocar-me e não ter que andar à boleia! Até acho que o futuro em termos de condução será cada vez mais "automático" e mais facilitador.
    E, opá, eu detestava trigonometria com todas as forças, ahah xD O que eu mais gostei na matemática foi a parte dos limites. Nisso sim, era uma barra :D

    ResponderEliminar
  11. Adoro sempre ler estes teus posts. Sim a adormecer a ouvir chuva e trovoada (ontem à noite estava a chover e eu e o meu namorado estavamos deitadinhos a comentar "agora só faltavam mesmo trovoada e uns relâmpagos), sou fã n° 1 de almofadas baixinhas ou modalidade sem almofada e passar tempo sozinha é mesmo uma necessidade nomeadamente para almoçar, passear e também gosto de ir ao cinema sozinha (se bem que depende sempre do filme). Ahhh e não conduzo mas acho que ia adorar mudanças automáticas, sou fã de tudo o que torne a condução mais fácil e menos stressante.
    Achei muita piada a que vejas os filmes aos bocadinhos, às vezes acontece-me mas prefiro vê-los de seguida.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Na verdade, partilhamos algumas peculiaridades!
    Mas ver filmes aos bochechos? Eu sou das que luta contra o sono para saber o fim!

    JU VIBES | @itsjuvibes ❤

    ResponderEliminar
  13. Estou surpreendida, temos tanto em comum. A única coisa desta lista que não partilho contigo é o gosto por mudanças automática, mas isto, porque o meu papi e a minha mami adoram todos os traquejos da condução e a adrenalina entre mudanças.
    Quanto à trigonometria...... right? É tão fantabulástico, todo um mundo de fórmulas dedutivas e de figuras bonitas, coisas maravilhosas que se exprimem magicamente e dançam sem preocupações!!!
    Também prefiro ver os filmes aos bocadinhos, porque passar 1h40 de um dia em frente à TV ou ao pc custa-me mesmo muito.
    Last thing, foi com incentivo da tua parte e da minha melhor amiga, Rafa, que comecei a fazer mais coisas sozinha, como ir almoçar, ao cinema, etc, e não podia concordar mais contigo, é tão especial, estamos tão mais atentas aos detalhes à nossa volta, às expressões, e aproveitamos tudo com outra dimensão!
    Magnífico. Um beijo bem apertado. Talvez um dia possamos aproveitar a trovoada lá fora juntas a conversar e a beber a melhor chávena de chá das nossas vidas <3

    ResponderEliminar
  14. É sempre muito interessante ler publicações sobre ti e é mesmo bom conhecer mais um bocadinho sobre ti.
    Partilho de alguns destes pontos, por exemplo, gosto de chuva e trovoada, mas apenas quando estou em casa e não estou a levar com pingas na cara :p
    Também me acontece ver filmes aos bocadinhos, por lá está, ou comecei a ver tarde ou já estou demasiado cansada, então é preferível fazer uma pausa e ver amanhã ou depois.
    Gosto de fazer coisas sozinha, acho que é essencial passarmos tempo connosco e sabermos aproveitar a nossa companhia, mesmo fazendo coisas que são supostamente idealizadas para se fazerem acompanhado.

    Gostei muito desta partilha :)

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)