quinta-feira, 23 de agosto de 2018

PASSAPORTE || Voltar a Casa


É sempre bom voltar a Aveiro. E curioso como não somos nós apenas que mudamos; a cidade também se transforma e ganha novas versões daquilo que já conhecemos — e acarinhamos. Já não sou a mesma Inês que Aveiro conhece melhor; cresci, amadureci. Já não tenho os mesmos gostos, já passei por outras experiências, já vivi coisas que me moldaram... A Inês que se apresenta hoje na cidade é muito diferente. Mas assim é, também, Aveiro.

Cruzo sempre as ruas e os lugares olhando para as coisas que antes estavam lá e já não estão. Tento acompanhar as mudanças e adaptar a cidade que conheço à cidade que agora se apresenta aos meus olhos. E esta adaptação das duas partes, que se podia transformar numa onda de frustração e de não nos reconhecermos uma à outra, acaba por resultar muito bem. A cidade muda, mas não perde o encanto. E eu cresci, mas sou sempre recebida de braços abertos com a mesma vontade, o mesmo carinho, o mesmo cheiro familiar.

Oferecemos sempre uma à outra o alento de que há certos traços que amamos e que, esses sim, não conseguem desaparecer; os cheiros continuam lá. Os sabores também. O meu sorriso ainda é o mesmo e a leveza com que caminho por lá continua igual. Há paisagens que ainda são tal e qual o meu coração guarda, e a minha pronúncia aveirense regressa sempre comigo. O espírito da cidade permanece igual e a minha família ainda olha para mim como se fosse uma menina — e sê-lo-ei sempre, para eles. Continuam a ter o hábito de chamar todas as pessoas com 'Eh', seguido do nome. Continuam a beijar as fotos que estão nas molduras. Continuam a servir três doses de comida extra à que eu tirei. E eu continuo com o mesmo feitio, com a 'pisqueza', com a vontade gulosa de comer tripas. Com a mesma energia, alegria, vontade de fazer trezentas coisas e estar em quatrocentos lugares ao mesmo tempo.

Há coisas que (nunca) mudam. Abraço os dois lados e ela abraça-me também. Aveiro nunca mais será como lhe conheço e eu nunca mais serei a Inês que a cidade conhece. Mas nunca nos abandonamos, nunca nos estranhamos. Abraçamo-nos sempre com a sensação de dois familiares que finalmente se reencontram depois de terem partido para aventuras. E o brilho, a essência que sempre permanece faz com que todas as mudanças valham a pena. Somos mais interessantes e experientes. Mais incríveis de conhecer e amar.

3 comentários:

  1. É uma cidade que não conheço, mas quero muito visitar.

    ResponderEliminar
  2. É sempre bom saber que Aveiro é a cidade de mais alguém, além de mim e ver como a nossa cidade é linda!

    ResponderEliminar
  3. Que bonito e cheio de sentimento, Inês!
    Beijinho grande*

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)