sexta-feira, 29 de julho de 2022

LIVROS | Tiny Beautiful Things

Há mistérios interessantes, e a forma como este livro veio parar à minha lista de TBR do Goodreads é uma delas. Não me lembro de quem o recomendou ou como, mas num momento de indecisão acerca da próxima leitura, a curiosidade acerca de como este livro foi lá parar falou mais alto. 

Iniciei Tiny Beautiful Things um pouco às cegas. Não conhecia o projeto inicial que desencadeou o livro e, lamentavelmente, também não conhecia a autora, Cheryl Strayed – facto que já redimi. Tiny Beautiful Things começou por ser uma coluna onde uma conselheira anónima (que, agora, sabemos que era a Cheryl Strayed, mas que, na altura, se apelidava como Dear Sugar) oferecia respostas para as mais variadas e complexas questões do seu público, desde os clássicos dilemas de amor, a temas mais profundos como a superação de traumas. O que diferenciava a coluna da Dear Sugar de tantas outras com premissa semelhante eram, precisamente, as respostas; embora o seu nome incluísse ‘sugar’, as respostas eram cruas, sem paninhos quentes e bastante longas. A Dear Sugar é uma mulher vivida e com um passado duro, e acumulou essas aprendizagens para as partilhar com os seus Sweet Peas (a forma como se dirigia ao público) sem agressividade, mas com a assertividade necessária e a experiência de vida ideal para partilhar conhecimento de causa. A compilação das melhores perguntas e conselhos resultou neste livro. 

É difícil explicar-vos porque é que achei Tiny Beautiful Things tão especial, principalmente quando não passa de uma compilação de colunas de dúvidas e uma vasta compilação da expressão 'Dear Sugar' e 'Sweet Pea' que a crítica reclamou como ‘enjoativo’ (e eu compreendo). Mas não consegui pousar este livro e encontrei nas palavras da autora e nas dúvidas do público uma sensação de conforto, tanto por não me sentir sozinha em alguns dos dilemas, quanto pela segurança com que a Dear Sugar transmitia nas suas respostas. 

Uma outra crítica recorrente é o tamanho das respostas; embora o título inclua 'tiny', não esperem respostas sucintas, mas eu não as quereria de outra forma. Cheryl Strayed usa sempre uma história pessoal como ponto de partida para explicar a razão da sua resposta, o que faz muito sentido para mim e me permite compreender a natureza e origem do seu conselho (confere-lhe a autoridade necessária para eu sentir que não está a brincar aos questionários e que a sua assertividade tem um sentido). Também me permitiu conhecer um pouco melhor a autora e reconhecer as suas aprendizagens. 

Foram vários os momentos em que sublinhei passagens, dicas e reflexões que, ainda hoje, me orientam quando me deparo com um problema semelhante ao partilhado numa das colunas. Gostava de o ter lido com menos sofreguidão e acho que, assim, denuncio completamente que fui muito fã desta leitura e que gostava de ter a capacidade da Dear Sugar para oferecer conselhos tão orientados e precisos – dizendo o que a pessoa realmente precisa de ouvir e não o que fica bonitinho numa coluna. 

Foi uma leitura tão surpreendente como o livro ter surgido no meu Goodreads e, por isso, acho que foi um sinal do Universo de que precisava mesmo de o ter lido. Só posso agradecer à Inês do passado que, em algum momento, o adicionou e que tanto conforto e orientação ofereceram à Inês do presente.

WOOK

Bertrand

Este artigo contém links de afiliada.

1 comentário:

  1. Adoro livros com premissas bem diferentes e incomuns, vou adicionar à minha tbr list! obrigada <3

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)