segunda-feira, 16 de agosto de 2021

LIVROS | O Meu Pé de Laranja Lima


Talvez tenha de começar este artigo com um sincero pedido de desculpas. Recebi O Meu Pé de Laranja Lima quando tinha 11 anos através de uma amiga querida da família que deixou uma das dedicatórias mais bonitas na primeira folha. Foi o primeiro livro com dedicatória que recebi e guardei-o com carinho até hoje. 

Estava muito entusiasmada para o ler mas o feedback de todos os que me rodeavam era consensual: o livro era extremamente melancólico e fazia qualquer leitor chorar. Fiquei tão assustada que guardei o livro sem o ler. Não sabia se conseguiria processar. 

Ficou arrumado, cuidado, mas esquecido. Só este ano voltei a prestar-lhe atenção, reli a dedicatória e li. Estou feliz por o ter feito neste tempo porque, embora seja uma narrativa muito simples, com expressões muito tropicais e com uma brisa do outro lado do Atlântico, é um livro que nos despedaça. 

O Meu Pé de Laranja Lima apresenta-nos Zezé, um menino de 6 anos com muita imaginação, traquina e pobre que vive com uma família muito carenciada e disfuncional. É durante uma mudança para uma nova casa que descobre um pé de laranja lima, com quem trava, de imediato, uma amizade inusitada. A esta amizade junta-se também Manuel Valadares, mais conhecido como Portuga, um emigrante que assume uma figura paternal para Zezé, que descobre o significado de família sem ter de levar os mais violentos castigos. 

O Brasil pobre, a infância dura, maus tratos, abandono e morte são os temas protagonistas de um livro que, durante muitas páginas, parece ser leve. Graças ao feedback de tantos, senti que entrei na leitura protegida e preparada, mas nem assim fiquei imune a algumas lágrimas de tristeza ou repúdio. 

Esta é uma obra que consegue combinar muito bem os relatos de dura realidade com algumas subtilezas metafóricas muito especiais e bonitas pela sua simplicidade. É talvez essa a razão pela qual O Meu Pé de Laranja Lima não é um livro de melodrama gratuito. A sua violência rebenta a nossa bolha perfeita mas não vai embora sem antes deixar uma preciosa reflexão que nos acompanhará até muito depois de a leitura terminar.

WOOK

Este artigo contém links de afiliados.

2 comentários:

  1. Li este livro há cerca de 2 anos e estou super arrependida por não o ter lido mais cedo. É um dos meus livros preferidos!

    ResponderEliminar
  2. Li-o pela primeira vez com 8 anos na escola. Apesar de poder parecer um livro triste ou até pesado para uma criança tão pequena, ainda hoje estou grata à Professora que me apresentou este livro e acabou por marcar a minha infância

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)