terça-feira, 10 de março de 2020

PASSAPORTE || Catedral de Sevilha


Bem pertinho do Alcázar de Sevilha, poderão encontrar a maior catedral de Espanha: a Catedral de Sevilha. O galardão pela sua enormidade não termina aqui; é também a 3ª maior do mundo — apenas perdendo para a Basílica de São Pedro, Vaticano, e Basílica da Nossa Senhora Aparecida, Brasil — e, a nível estilístico, a maior catedral gótica do mundo. Por isso mesmo, ser considerada Património da Humanidade pela UNESCO não parece surpreendente. Mas a sua história e todos os tesouros que guarda no seu interior são.



No lugar onde a Catedral foi edificada, existia uma mesquita (Mesquita Alfama de Sevilha) que, após a Reconquista, foi demolida para dar lugar à Catedral. Da sua construção e propósito originais pouco sobrou, mas podemos, ainda, testemunhar algumas heranças como o Portão do Perdão (cuja aparência original se mantém intacta até aos dias de hoje), o Pátio dos Naranjos (que, como o nome denúncia, está repleto de laranjeiras), alguns vitrais e a famosa Giralda.



Sofreu, à semelhança do Alcázar, danos ligeiros do terramoto de 1755 de Lisboa, e várias influências estilísticas que justificam a riqueza de detalhes, a decoração escultural de sonho e o espólio extraordinário que vai roubar algum do vosso tempo de visita. Esta é, aliás, a minha primeira dica: visitem a Catedral com tempo, dada a enormidade do espaço e a variedade de detalhes.


Um dos elementos protagonistas do interior da Catedral é, sem dúvida, o Retábulo Maior. É considerada uma das estruturas de madeira mais extraordinárias do seu tempo e é composto por mais de 200 figuras de santos. Um cenário imponente que deixa qualquer visitante de queixo caído, a par do enorme órgão — parecem ser vários mas, desde que estão conectados eletricamente, são considerados um só instrumento — e da cúpula do Salão Capitular.


Guardo as duas maiores relíquias da Catedral para o fim, a começar pela icónica torre Giralda que recorta o quente horizonte de Sevilha. Foi projetada para se assemelhar ao minarete da Mesquita de Koutoubia, em Marraquexe, e rapidamente inspirou réplicas ao redor do mundo, desde Badajoz até à cidade de Kansas, nos Estados Unidos. O seu nome deriva da estátua feminina de bronze, situada no topo da torre e que tem o nome de ‘Giraldillo’. No entanto, a Giralda também é conhecida como a Senhora de Sevilha.


No topo da torre têm acesso a uma belíssima vista de 360º sobre a cidade de Sevilha, algo a não perder. Se torcem o nariz pela possibilidade de subir escadas, nada temam: o acesso ao topo da torre é feito através de uma rampa por onde até cavalos chegaram a atravessar!


Por último, o polémico segundo ex-libris da Catedral é o túmulo de Cristóvão Colombo suportado por quatro figuras alegóricas que representam os quatro reinados que existiam no tempo do explorador: Castela, Aragão, Navarra e Leão — uma representação de alta notoriedade e simbolismo, uma vez que representa quatro reis (as maiores figuras de estado) a suportar um explorador. A transferência do túmulo de Cristóvão Colombo de Havana para Sevilha foi envolto em muita polémica, uma vez que o corpo foi sepultado em inúmeros lugares antes de finalizar a sua viagem, incluindo na República Dominicana, onde a nação garante que os restos mortais ainda lá estão. Porém, os testes de DNA comprovam a veracidade dos restos mortais de Cristóvão Colombo em Sevilha. Que reviravolta! 


A Catedral de Sevilha tem entrada gratuita para desempregados, visitantes portadores de deficiência e crianças até aos 14 anos. Para estudantes entre os 15 e 25 anos e visitantes com mais de 65 anos, o bilhete apresenta um custo reduzido.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)