quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

LIVROS || Love Her Wild


O livro de poemas de Atticus veio parar às minhas mãos tão depressa quanto o li. Provavelmente, este nome é-vos familiar e a explicação é simples: não há rede social onde ele não impere, entre partilhas no Tumblr, Pinterest ou Instagram. A probabilidade de vocês já terem lido algo da sua autoria — mesmo que sem o merecido crédito — é muito elevada, sendo várias vezes comparado (compreensivelmente) com Rupi Kaur.

Na verdade, ninguém sabe quem é Atticus, uma vez que, embora os seus livros se consagrem sempre em best sellers, o autor não revela a sua identidade. A combinação da sua sensibilidade poética, encaixe perfeito no mundo digital e a identidade misteriosa tornaram-se nos ingredientes essenciais para ser um dos poetas mais populares da atualidade.

Love Her Wild mantém a pegada digital pela qual já é conhecido, fazendo acompanhar os seus poemas curtos e simples com fotografias a preto e branco que procuram dramatizar e dar mais intensidade a cada passagem.

O título não deixa margem para dúvidas de que o tema principal deste livro são poemas de (des)amor. A leitura é fluída e bastante rápida, sendo perfeitamente possível terminarem o livro no próprio dia em que o começaram. Várias constatações passaram na minha mente durante a leitura e a principal foi o quanto este livro não me magnetizou. Acredito que se deve a uma combinação de fatores; 1) a falta de identidade das fotografias — que não achei uma estratégia bem conseguida porque pertenciam a bancos de imagens e, portanto, em nada refletiam a identidade ou licença poética visual do autor, assemelhando-se ao amadorismo de qualquer utilizador no Tumblr; 2) o excesso de popularidade digital — um pouco à semelhança de Rupi Kaur, muitos dos textos presentes no livro já tinham sido mais do que explorados na internet e a experiência foi mais um reconhecimento de leitura do que de descoberta; 3) a idade com que o li. Talvez fosse um livro que conversasse mais comigo numa fase de vida mais jovem. Provavelmente, não sou o público-alvo deste livro e muitas das observações do próprio autor não me desencadeavam particular empatia — algumas refletiam a imaturidade adolescente que todos nós já detivemos e que o crescimento aprimorou.

Embora tenha feito algumas descobertas boas — há poemas que, de facto, tocaram-me e que gostei —, não achei suficientes para o considerar uma leitura arrebatadora. Consideraria na flor da adolescência — entre os 15-18 ainda é um livro capaz de conquistar o público — mas a falta de elementos novos e o amadorismo da edição não me arrebataram. Prefiro acompanhar o seu trabalho e amadurecimento artístico — e emocional — no mesmo lugar onde ele deu os primeiros passos da sua carreira: no digital.

WOOK

Bertrand

Este artigo contém links de afiliados.

1 comentário:

  1. O nome não me dizia nada até mencionares as várias citações que vamos vendo, especialmente no Pinterest (no meu caso) mas nunca tomei atenção nem procurei saber quem seria o autor.
    Vou pesquisar sobre ele mas acredito que talvez tivesse a mesma opinião que tu sobre não sermos o público-alvo e não nos tocar como talvez pudesse tocar. Agora é mais um constatar do que sabemos, daí serem citações/poemas tão partilhados.

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)