quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

EVENTOS || The World of Hans Zimmer


The World of Hans Zimmer arrancou em 2018, na Alemanha — terra mãe do compositor —, e passou por Lisboa, em Abril. Estava conformada que o meu caminho não se tinha cruzado com o de Hans Zimmer — cujos bilhetes voaram! — quando dei de caras com o anúncio do lançamento de uma data extra, em Dezembro. Não precisava de mais sinais — e não me permiti a pensar duas vezes: comprei com oito meses de antecedência.

Casa cheia — esgotada, uma vez mais! — no Meo Arena para fazer parte desta tour estrondosa que terminou na nossa capital. Conduzida por Gavin Greenaway — o Maestro que conduziu quase todas as produções do compositor alemão — e com a direção e curadoria de Hans Zimmer, fomos agraciados pela orquestra bielorrussa de Bolshoi e pela equipa de músicos de eleição de Hans Zimmer. Foram estes últimos que protagonizaram os solos dos mais variados instrumentos — começando na flauta, terminando no violoncelo.

Hans Zimmer tem marcado a sonoridade do cinema e sou fã incondicional desde miúda. O seu trabalho tem feito parte dos mais variados projetos, desde os mais ambiciosos e memoráveis, como ‘Rei Leão’, ‘Interstellar’, ‘O Código Da Vinci’ ou ‘Inception’ aos mais inesperados e divertidos, como ‘The Holiday’, ‘Piratas das Caraíbas’ e ‘O Panda Kung Fu’. Nenhuma das suas composições é preparada ao acaso. Cada uma tem uma história e significado importantes na sua carreira e na própria obra que sonorizou. Esses detalhes são partilhados durante o concerto, numa curta entrevista gravada, dirigida por Hans Zimmer com os seus amigos e colegas que fizeram parte dos filmes que constam nesta celebração.

Magistral será dizer pouco, especialmente para quem adora música instrumental — como eu, mas isso não é novidade para vocês. Não faltaram os grandes êxitos — embora eu tivesse trocado ‘Madagáscar’ por ‘Interstellar’ sem remorsos, uma vez que foi um dos seus trabalhos mais extraordinários e que nem uma música figurou — e as projeções visuais dos filmes atrás da orquestra deram força, contexto e beleza às músicas que foram passando e encantando o público. Cada uma delas deslumbrou-me mas dou o merecido destaque às músicas que mais me emocionaram: ‘Rush Suite’, ‘Spirit Suite’, ‘Oogway Ascends’, ‘The Lion King Suite’, ‘Time’ e ‘Pirates of Caribbean Suite’.

No total, o programa ficou completo com 22 músicas numa noite que não só celebrou o talento de Hans Zimmer como reforçou a importância da música no cinema: mesmo que não sejam ávidos ouvintes de música instrumental, é inegável que muitas destas aclamadas obras não seriam tão memoráveis, emocionantes ou competentes se não tivessem uma extraordinária banda sonora a acompanhar.

Para quem terminou este artigo com o coração apertadinho — como eu fiquei, em Abril — trago duas notícias boas para vos deixar mais animados; a primeira é que todo este concerto já foi gravado ao vivo e está disponível no Spotify para ouvirem — embora a orquestra seja a de Viena e, confesso, gostei mais da prestação da orquestra de Bolshoi. A segunda é que o compositor já tem uma nova tour preparada — e esta já é presencial — e com bilhetes à venda. Ainda não há informação de que passe por Portugal mas não imagino nada melhor do que programarem uma escapadela por uma capital europeia e que culminem a viagem com um concerto deste compositor soberbo. Se tiverem oportunidade, vale cada cêntimo. Estou feliz por ter tido o privilégio de ouvir estas obras de sempre ao vivo.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)