domingo, 30 de junho de 2019

FILMES || Junho • 2019


Os animais de estimação mais estouvados de sempre estão de volta! Já tinha ficado rendida ao primeiro filme — que achei giríssimo — e o segundo não foi exceção. Neste novo capítulo, três histórias distintas desenvolvem-se com algumas das personagens que mais nos conquistaram no primeiro filme, sendo que a minha preferida — e a que achei mais interessante — foi a aventura de Max e da sua ansiedade com o controlo e a proteção. Os filmes de animação são inteligentes quando conseguem entreter os miúdos e enviar mensagens urgentes para os graúdos, e fizeram-no na perfeição. A temática é atual, cada vez mais recorrente e foi muito interessante terem pegado neste assunto tão particular. Por vezes, quando queremos proteger demais, sortimos o efeito contrário. Gostei mais da sequela, o que é de espantar, portanto, recomendo muito que assistam!

Confesso: assisti a este filme com as expectativas no topo. Depois do filmaço que foi Get Out, esperava o mesmo brilhantismo na apresentação de Us. Este filme conta a história de uma mulher com um trauma de infância que aconteceu numa praia em particular. Desde então, essa memória assombra-a e ela nunca mais lá voltou. Porém, numas férias de família, o regresso tornou-se inevitável e um encontro inusitado transforma um momento de tranquilidade num autêntico pesadelo Dantesco. Acho que foi precisamente por isso que não apreciei. A elegância e subtileza presentes em Get Out não se refletiram muito em Us — e sei que um filme não tem de refletir o outro mas sinto que a produção tem tantos elementos em comum que é inevitável. Não fiquei arrebatada pelo plot twist porque só consigo apreciar um bom plot twist quando a verdade sempre esteve à vista sem que nela reparássemos. Não acho que fosse este o caso, simplesmente libertaram a informação bombástica. Globalmente, foi um terror psicológico que não me cativou e do qual saí um pouco desconsolada, admito.

Assisti a esta comédia romântica num fim de semana despreocupado porque achei piada à sinopse. Uma história de amor inusitada entre um vendedor de produtos farmacêuticos e uma jovem diagnosticada com Parkinson precoce. O filme não dramatiza demasiado a doença e acho que, no meio de toda a história de amor lamechas e típica de uma comédia romântica — que, reconheço, não prestei muita atenção —, encaixam momentos verdadeiramente fantásticos sobre lidar com uma doença sem cura e que retira, sem piedade, a qualidade de vida do portador e dos seus entes queridos. Gostei da abordagem sincera e real a uma doença que pouco tem de romântica mas que, de alguma forma, conseguiu ser bem homenageada numa comédia fraquinha. Super valeu a pena por isso.

Definitivamente o filme de Junho. Devo confessar que os live-actions da Disney não estavam a ser arrebatadores — eram giros, eram bons, mas faltava sempre qualquer coisa, concordam? — e que a minha vontade de ver Aladdin não estava propriamente nos picos. Além disso, nem sequer é o meu filme preferido da Disney, portanto, simplesmente fui assisti-lo ao cinema para fazer o miúdo feliz e aproveitar um momento de primos. E estava tão enganada...!
O filme está extraordinário. Fiel o suficiente ao original para catalisar a nostalgia em nós mas com elementos originais que trazem uma certa frescura a uma história que já bem conhecemos. Neste Aladdin, temos uma princesa com mais auto-afirmação — e que, certamente, irá inspirar muitas meninas — um Jafar rejuvenescido, uma fotografia de cortar a respiração, músicas originais que nos convencem e os clássicos de sempre que cantarolamos baixinho. O polémico génio, inicialmente debochado nas redes sociais pelo seu tom azul pouco convincente, conseguiu conquistar-nos a todos; interpretado por Will Smith, fez um retrato fiel da personagem, homenageando o papel meritoriamente associado a Robbin Williams. Como ainda está no grande ecrã, recomendo imenso que façam um programa com a vossa companhia Disney preferida e que o assistam no cinema. Vale muito a pena. Assim, sim, Disney!

Já assistiram a algum destes filmes? Qual foi a vossa opinião?

1 comentário:

  1. O único que não vi foi "Us", mas também não sei se vou ver, não sou mega fã de filmes de terror, suspense e dentro desses géneros...

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)