quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

MUNDO || 'Demonização' Digital


As plataformas digitais têm passado por significativas transformações ao longo dos anos e observo, já há algum tempo, duras críticas em relação às várias abordagens que têm vindo a ser feitas por parte de que as inova e/ou consome. Não é uma novidade, já que todos os outros canais de comunicação que existem também passaram pelas suas próprias transformações e, por conseguinte, críticas. 

Verifica-se, atualmente, uma completa 'demonização' digital, onde tudo parte de propósitos calculistas, alguns, quase maquiavélicos; o trabalho dos criadores de conteúdo — de todas as plataformas — é observado como oco ou totalmente maléfico. Questiona-se o conteúdo encefálico de todos os criadores e nenhuma opinião dos mesmos é encarada como orgânica, genuína ou consciente e sim como uma crista da onda; defende-se, convictamente, de que o conteúdo nas redes sociais deve ser transparente e real — que eu concordo —, sem mensagens de vidas perfeitas. No entanto, se o utilizador faz uma partilha real, aborda assuntos que, efetivamente, são do seu interesse e faz a sua comunicação de forma autêntica, está apenas a querer ser igual aos outros e não tem identidade própria. 'Demonizamos' a publicidade, os criadores, os conteúdos e até os valores das mensagens. Há uma utilização clara das redes e plataformas para partilhar causas muito nobres — e pelas quais tenho, na grande maioria, enorme admiração — mas se a causa se populariza, 'demonizamos' automaticamente, sem avaliar o feedback positivo que se gera quando um volume significativo de pessoas comunica a mesma mensagem benéfica. Por outro lado, se alguém não se posicionar ou comunicar publicamente, a pessoa é protagonizada como o exemplo da insensibilidade e do desinteresse. Sem cinzentos. Preto no branco.

Cobra-se uma amostra real do quotidiano, dos interesses e dos valores de quem partilha os seus registos mas é expectável que seja uma realidade de encontro à nossa; se o utilizador tiver uma forma de viver genuína mas diferente, uma rotina em nada semelhante à nossa, não conseguir abraçar humanamente todas as causas sociais — ou abraçar, mas não na velocidade esperada — e tiver hábitos ou valores ligeiramente diferentes, a sua postura é criticada, sem hesitar, embora ele esteja a cumprir a proposta: ser real. Ser genuíno. Arrisco-me a afirmar que muitos não querem, de todo, perfis reais; querem perfis que não lhes mostrem o quanto a vida é plural e pode ser diferente de pessoa para pessoa, rotina para rotina, carreira para carreira, país para país. É factual. Quando digo que acredito existir espaço para todos na internet, é precisamente deste conceito que falo, tanto por quem utiliza quanto por quem consome; formas diferentes de ser, viver, pensar. Para todos, vai haver a devida segmentação por parte de quem se identifica com essas maneiras.

Não sou inocente; estou perfeitamente consciente que as plataformas digitais não são um lugar puro e perfeito. Há sempre formas de melhorar e de desfrutar da experiência de uma forma mais saudável, e o espírito crítico — em todas as esferas sociais, não só as digitais — é fundamental, mas sinto que se gera uma onda fundamentalista que tem tornado as redes e plataformas num antro de calculismo que, sou sincera, não reconheço como um movimento nobre, sequer saudável e que nos afasta em vez de aproximar. Uma intolerância que não se reflete nas ruas, numa conversa, num almoço, na atividade offline e humana do nosso dia-a-dia. Uma necessidade de caça às bruxas que não dá espaço para a evolução e transformação do próprio utilizador e que esgota qualquer pessoa consciente sem necessidade porque, no fim, sabemos que há espaço para todos os utilizadores e todos os públicos e que só temos de consumir, apreciar e admirar os que fizerem sentido. O Ricardo Araújo Pereira caracteriza as redes sociais como a história do velho, do menino e do burro. Não importa como é que os três gerem a forma como vão atravessar a aldeia: nenhuma estará correta aos olhos dos outros. De certa forma, é o que realmente se verifica, atualmente.

No fim — porque acredito que uma utilização consciente e sensata das plataformas pode resultar numa atividade positiva —, e sem respostas definitivas, absolutas ou mais válidas do que outras, julgo que a melhor utilização, para mim (tanto como utilizadora, quanto consumidora), está em manter-me fiel aos valores basilares destas plataformas: partilhar o que mais me faz feliz no quotidiano de uma forma que me orgulhe, que queira recordar mais tarde e aproximando-me de quem, geograficamente, está distante de mim. Sem saturação ou inspeção furtiva à forma de partilhar dos outros. Não há necessidade, afinal de contas, ninguém é dono da verdade.

4 comentários:

  1. Vou só ficar aqui duas horas a bater palmas, se me dás licença. <3 mais equilíbrio precisa-se, e um bocadinho mais de segurança e menos necessidade de afirmação também...há espaço para tod@s, e quando as causas são boas, o que é que importa se é surfar na crista da onda, desde que venha algum bem daí!

    ResponderEliminar
  2. Acho que no mundo digital estar sujeito a uma crítica é tão comum quanto respirar, mas tenho a certeza que há algo bom nisso, pelo menos algo que possamos aprender com isso.

    Another Lovely Blog!, https://letrad.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. Quem me dera que toda a gente visse o potencial das redes sociais como tu vês, porque era um pequeno grande passo para construir um mundo mais tolerante e feliz.

    ResponderEliminar
  4. Todo o texto expressa uma ideia com a qual concordo, embora admita que, também eu, já demonizei as redes sociais. Aliás, só mudei a minha visão quando eu própria comecei a produzir conteúdo, a aprender onde e como buscar as informações que me interessam, e isso acabou por gerar uma compreensão e tolerâncias em mim que me permitiram mudar a ideia que tinha deste meio! Felizmente, foi assim que aconteceu!
    Este teu último parágrafo diz tanto da forma como deveríamos encarar a vida, no geral! Se nos preocupássemos menos com certos aspectos da vida alheia, seríamos uma sociedade tão, mas tão mais coerente... Até lá, há muito que trabalhar!

    LYNE, IMPERIUM BLOG

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)