sábado, 3 de novembro de 2018

LIVROS || Comer, Orar, Amar


Comer, Orar, Amar não é uma história recente e, certamente, já muito bem a conhecem, quer tenham lido o livro, quer tenham visto a adaptação para cinema, protagonizada por Julia Roberts. Conta a história de Elizabeth Gilbert que, aos 30 anos, divorcia-se, suspende a sua carreira de sucesso, deixa a casa de sonho com menos de um ano e larga o seu novo romance tóxico para se reencontrar (física, mental e espiritualmente) durante uma aventura de um ano por três países icónicos. Liz espera poder apreciar o prazer na deliciosa Itália, perdendo-se na gastronomia e aprendendo a língua que sempre a fascinou, viver uma experiência divina recolhendo-se num ashram na Índia e terminar na Indonésia para cumprir uma previsão e para concluir a sua jornada, aprendendo a equilibrar o prazer com o divino.

Regra geral, as opiniões foram unânimes em classificar o filme aquém do livro, mas eu terminei a minha leitura dividida. Houve partes em que apreciei muito mais a adaptação em filme e partes que foram muito melhor contadas pelo livro.

Não é só a viagem espiritual que fica aquém no filme — a obra cinematográfica suaviza muito mais, já no livro, é um tema fortemente presente e narrado. O tema da saúde mental de Elizabeth é também muito deixado de parte no filme. E foi uma das partes que mais marcou a minha leitura: nunca tinha lido uma descrição tão forte, real, crua e fiel da ansiedade, da depressão (e a respetiva medicação), da solidão. Em certa parte, acho que só faz sentido existir no livro por ser uma linguagem tão variada. Já li muito sobre todos estes temas e nunca tinha feito uma leitura tão... marcante. A sua luta, a sua determinação para sair do buraco negro, a sua vontade de ser uma pessoa mais feliz por dentro são partes do livro que nunca irei esquecer e que me comoveram.

Por outro lado, há certos momentos do filme que eu sempre achei icónicos e que senti um leve desapontamento por descobrir que não eram reais, como a conversa na pizzaria de Nápoles — julgo que é um dos diálogos mais especiais do filme —, a cerimónia de casamento na Índia e a história da compra de casa para Wayan (aconteceu, mas o que se seguiu não foi tão romantizado). Acabo por ter de recomendar tanto o livro como filme, uma vez que os dois destacam particularidades diferentes da experiência verídica e inspiradora da autora.

Comer, Orar, Amar acaba por ser um mergulho cultural em três países diferentes e o quanto Gilbert conseguiu absorver e retirar de cada lugar para se encontrar e ser uma melhor versão de si mesma. Com lugares de sonho e personagens incríveis que enriquecem a jornada de Liz, é uma obra com descrições lindíssimas e acontecimentos incríveis que nos fazem viajar não só pelos lugares descritos como por dentro da cabeça da autora.

Autora: Elizabeth Gilbert
Número de Páginas: 505
Disponível na WOOK (ao comprares através deste link, estás a contribuir para o crescimento do Bobby Pins)

8 comentários:

  1. Da mesma autora, li "A Grande Magia" e desde então que tenho muita curiosidade em ler "Comer, orar, amar". Nunca vi o filme mas a curiosidade em relação a ambos é enorme. Gostei muito do post, querida Inês.

    Beijinho.

    O meu blogue, "F de Francisca": https://fdefranciscablog.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Adorei esse livro, precisamente por causa da forma como fala de ansiedade e depressão de uma forma muito crua e honesta. Marcou-me muito.

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito mais do livro do que do filme. O filme, para mim, foi uma seca. O livro tem muito mais impacto, é muito cruo e honesto, como dizes.
    Beijinhos
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
  4. Não li o livro, nem vi o filme. Estou em falta, mas acaba-me por passar sempre ao lado! Mas, admito que talvez um destes dias me atire a um deles :)

    ResponderEliminar
  5. Depois de ter lido uma review da Andreia Morais no seu blogue, tive de comprá-lo! Ainda não o comecei a ler, mas suscitou-me muito interesse não só pelo tema como pelas experiências lá descritas que devem ter sido bastante enriquecedoras!

    ResponderEliminar
  6. Vi o filme é gostei, falta comprar e ler o livro!
    Em termos de ler o livro e ver o filme, sou daquelas pessoas que se lê o livro tem de ver o filme, mesmo que não siga o livro, e vice versa.

    ResponderEliminar
  7. Vi o filme e li o livro a posteriori. Devo dizer que gostei tanto de um como de outro, no entanto, creio que acabo sempre por recomendar o livro.
    Se gostaste de Eat, Pray, Love, talvez também venhas a gostar de Big Magic (ou talvez já conheces?). Também é da Elizabeth Gilbert e gostei bastante :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já li o Big Magic e também tem publicação no Bobby Pins :) https://bobbypinss.blogspot.com/2016/08/livros-grande-magia.html?m=1

      Eliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)