segunda-feira, 16 de abril de 2018

FILMES || The Circle


Andei a adiar assistir a este filme porque desejava poder ler o livro primeiro, no entanto, a oportunidade surgiu e não resisti!

Mae vê a possibilidade de melhorar a sua vida (e a da sua família) ao ser contratada pela mais poderosa empresa tecnológica e de redes sociais do mundo: The Circle. A estranheza e confusão iniciais dão lugar à excitação e satisfação por pertencer a um grupo que tem como premissa criar ideias inovadoras que melhorem a sociedade. Porém, ao longo da sua progressão de carreira, Mae vê-se em conflito ético com os limites de privacidade das ideias.

Se só pudesse descrever o filme numa palavra, seria: desconfortável. The Circle dá-nos uma sensação de vulnerabilidade que não desaparece depois da passagem dos créditos finais. Assuntos que, de momento, estão muito na berra, como a questão da privacidade, da partilha excessiva de dados pessoais e da deturpação da transparência, fazem-nos reflectir sobre os nossos próprios comportamentos. Partilhamos demais? A partir de que momento a privacidade se tornou sinónimo de segredos? E por que razão exigimos invadir a privacidade e intimidade dos outros como se fosse um direito nosso conhecer todos os passos? Quando é que manter a privacidade se converteu em escondermos algo terrível? Temos a obrigação moral de partilhar tudo com os outros?

Embora tenha assistido ao filme primeiro, continuo a querer muito ler o livro (especialmente agora), até porque, infelizmente, o filme não é extraordinário. The Circle carece de aprofundamento da maior parte das informações que apresenta — tanto dos conceitos como das personagens —, Emma Watson é absolutamente fraquinha a representar (para grande desilusão minha), e no meio de tantos participantes cujas histórias estão pessimamente mal contadas, há um Tom Hanks espectacular que encarna o papel de uma forma fenomenal (mas não chega). O final deixa a desejar e, embora desconfortável, não acho que provoque a agonia que os criadores esperavam. Acredito que isso aconteça por as ideias apresentadas já não serem futuristas, e por séries, como Black Mirror, já desempenharem essa função de uma forma exímia. O filme passou muito despercebido e agora compreendo porquê. Espero que o livro dê o puxão e a intensidade que esperava!

7 comentários:

  1. Eu gostei do filme porque passa uma breve ideia daquilo que as empresas fazem hoje em dia: nós aqui somos muito fixes, fazemos imensas festas, damos tudo e mais alguma coisa maaaaas "sabes que podes passar cá o fim-de-semana não sabes? Não é obrigatório, maaaaas(...)". Não é um Inception, claro, mas é um filme que nos faz pensar.
    Infelizmente também achei a Emma fraquinha (mas já tinha ficado com essa impressão n'A Bela e o Monstro embora tenha amado o filme. Estava à espera que a Emma se tornasse numa actriz extraordinária mas parece que não. É pena.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também reparei nesse pormenor das empresas e achei bem interessante (e real)!
      N'A Bela e o Monstro não fui capaz de tirar logo essa conclusão porque deram à Emma o papel da sua vida, afinal de contas a heroína inteligente, com voz, amante de livros e habituada a magia não era propriamente uma novidade. Esperei pela atribuição de um papel completamente diferente do que ela já tinha feito para ter a certeza (embora também a tenha visto no Perks of Being a Wallflower e tenha sentido o mesmo, agora tenho a confirmação) :)

      Eliminar
    2. Compreendo, e percebo o porquê de não teres tirado essa conclusão. Aquela Bela ainda é muito "Hermione". Eu é que estava à espera de ver uma Bela mais Disney - mas depois vi que não era esse o intuito deles com a personagem. É mesmo pena.
      Mas para mim o filme valeu mesmo por isso, principalmente nas empresas da área da tecnologia, cada vez vemos mais isso - darem tudo e parecer tudo maravilhoso, mas há um MAS.

      Eliminar
  2. Olá Inês! A minha apreciação deste filme coincide com a tua e infelizmente também tenho muitos dos mesmos defeitos a apontar ao livro (que li antes de ver o filme; no meu caso, assiti a este último na esperança de que o facto de o livro ter potencial desse um bom filme, mas não aconteceu.). Achei a abordagem do livro superficial, através dos olhos de uma personagem um pouco tolinha que só desejas, ao longo do livro, que acorde... Fiquei desapontada porque a temática do livro é muito interessante, há muito para ser dito e discutido, e o livro tinha potencial!

    That being said: se o quiseres ler e não tiveres um exemplar, tenho todo o gosto em emprestar-te o meu :)

    ResponderEliminar
  3. Bom, apesar do lado meh da coisa, fiquei curiosa - estes temas despertam sempre muita curiosidade. Vai para a lista!

    Jiji

    ResponderEliminar
  4. Estou como a Jiji, apesar das coisas menos boas de que falaste fiquei com curiosidade na mesma.:p

    Another Lovely Blog!, http://letrad.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Lê o livro e depois falamos sobre o filme. É uma desilusão gigante depois do livro, acredita.

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)