quarta-feira, 30 de setembro de 2020

FILMES || Setembro • 2020


I’m Thinking of Ending Things apresenta-nos uma jovem que se propôs a partir com o namorado numa viagem à sua terra Natal para conhecer os sogros. O que poderia ser (e é) um acontecimento comum na vida de qualquer casal, torna-se numa história bizarra onde as três linhas temporais (passado, presente e futuro) se intercetam através da passagem do tempo nas personagens. Nada parece fazer sentido e o desconforto que sentimos ao longo de toda a obra é palpável — e propositado. É um filme cheio de detalhes, diálogos pretensiosos e sem uma lógica própria. Se esta descrição for confusa, é sinal de que fiz um bom trabalho e refleti toda a experiência que vão sentir ao ver o filme. 

Não tem sido uma obra consensual e, enquanto uns encaram a natureza bizarra do filme como uma obra prima, outros não ficaram assim tão arrebatados. Eu inclino-me mais para o segundo grupo: senti que o filme é uma salada sem nexo, cheia de name dropping e que ficará sempre escondida no argumento de que a lógica da narrativa está reservada aos cinéfilos do Olimpo. 

Confesso-vos que gosto muito de comédia francesa e que me lembro perfeitamente do trailer deste filme nos cinemas, há alguns anos. E fiquei chocada por só agora ter assistido. A Família Bélier é uma obra que nos dá a conhecer Paula, uma adolescente envolvida num seio familiar peculiar: todos os seus parentes são surdos, exceto ela. Paula acaba por ser a ponte entre os pais e irmão e o mundo inteiro, que desconhece língua gestual e que insistentemente tenta comunicar com os familiares através dos sons e do diálogo vocal. 

Este é um filme muito bem disposto e leve que, entre toda uma narrativa previsível da adolescente reprimida que tem um talento escondido (para cantar), aborda temas muito importantes e com pouca dimensão; o ostracismo a pessoas portadoras de algum tipo de deficiência física (neste caso, auditiva) e todas as inacessibilidades e preconceitos por que têm de passar para coexistirem em sociedade. 

Aborda também, de uma forma mais discreta, a responsabilidade que Paula — representando, na verdade, milhares de familiares pelo mundo — sente nos ombros para conseguir ligar a família ao mundo (e vice-versa), deixando a sua vida pessoal muitas vezes consumir-se pelo seu lugar de cuidadora (neste caso, de intérprete). É um filme sobre um tema bastante sério contado de uma forma sublime e cheia de humor requintado. Quando terminarem este filme, vão ter muita vontade de começar este curso.

Já viram algum destes filmes? Qual mais têm curiosidade?

3 comentários:

  1. Nunca vi o primeiro mas o segundo já perdi a conta às vezes que vi. É dos meus filmes preferidos de sempre - cá em casa adoramos o humor francês - e a banda sonora é genial. Foi também o meu primeiro contacto com língua gestual e lembro-me perfeitamente de na altura chamar amigas minhas na brincadeira de "petit con" que aprendi no filme! Tenho imensamente de rever e já agora recomendo o Que Mal Fiz Eu a Deus e o Je Ne Suis Pas un Homme Facile :)

    ResponderEliminar
  2. O primeiro vou evitar a todo o custo no entanto fiquei curiosa com o segundo mas faz-me imensa impressão ver filmes em francês. Sei que é tolo mas enfim...

    ResponderEliminar
  3. Vi o segundo há uns bons anos e adorei, tenho de rever :)
    Em relação ao primeiro, confesso que vi uns 45 minutos e desisti... Senti que o filme não avançava para lado nenhum...

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)