sábado, 7 de novembro de 2020

DAILY || Rotina de Teletrabalho


2020 foi o ano em que muitos experimentaram, pela primeira vez, a rotina de um trabalho remoto. E enquanto que a adaptação é natural e confortável para uns (encaixo-me neste grupo), para outros foi uma transição difícil e com influência na motivação e produtividade. Já existem inúmeros conteúdos com dicas para trabalhar a partir de casa mas decidi partilhar como é a minha rotina e o que funciona para mim — e que talvez possam levar convosco, se fizer sentido. 

01
ESPAÇO ORGANIZADO
O meu espaço de trabalho é um reflexo da minha mente, e se ele não estiver minimamente arrumado, não serei capaz de me concentrar ou sentir que estou num ambiente produtivo. Isto inclui ter uma secretária muito arrumada e com pouca tralha, fazer sempre a cama e não estar numa divisão desarrumada. Faz toda a diferença, para mim. 

02
TER SÓ UM LUGAR DE TRABALHO
Acho importante definir que zona da minha casa pertence ao trabalho e que zona pertence ao meu lar. O nosso cérebro vai cobrar se misturarmos os ambientes. Isto significa que eu trabalho num só lugar da minha casa e não saltito de divisão em divisão (porque perde esta definição de fronteiras). Quando estou muito farta de estar na minha secretária e prefiro trabalhar na sala, faço com que essa mudança seja longa (uma semana ou mais a trabalhar na sala, sem sair de lá). 

03
FAZER REFRESH AOS ELEMENTOS DA CASA
Estar num só lugar não significa que a divisão tenha de ficar imutável. Mudar a secretária de sítio, alterar a decoração, mudar as coisas de lugar ajuda a dar uma nova cara ao espaço de sempre e a estimular a criatividade — fundamental no meu trabalho. Por exemplo, nesta altura do Halloween, coloquei uns morcegos na minha parede em frente à secretária. Mantive a secretária livre, como preciso, mas tenho algo novo, diferente e estimulante para onde olhar. 

04
HORÁRIO DAS REFEIÇÕES E PAUSAS
Eu saio da nutrição mas a nutrição não sai de mim: o nosso corpo e o nosso cérebro precisam de energia e alimentos para se manterem funcionantes. E enquanto uns esquecem-se frequentemente de comer ou até de fazer pausa para o almoço, outros atacam o frigorífico de 3 em 3 minutos, sem dar conta. Nenhuma das rotinas é ideal e sinto que a minha hora de almoço é sagrada, bem como a pausa para o lanche (mais curta, evidentemente). Faço questão que sejam refeições fora do meu espaço de trabalho e onde desligo e me permito a fazer outras coisas. Sinto que regresso ao computador mais ativa e motivada. Faço questão de cumprir os meus horários de refeições (não deixar passar o pequeno-almoço, não comer o almoço em frente ao computador, não abdicar do lanche). Há dias em que nem sempre é possível mas tento ter esta rotina bem definida, assim como as pausas naturais do trabalho. 

05
ROUPA
No que toca ao vestuário, acho que sou um meio termo; acho importante sairmos do pijama e mantermos uma rotina de higiene parecida com a que teríamos se saíssemos de casa mas também acho de loucos quem fica em casa com calças de ganga. Tive a sorte de encontrar no meu armário inúmeras peças casuais e confortáveis para manter por casa sem me sentir incomodada. Curiosamente, não sou das que tem vida dupla da cintura para baixo (a chamada roupa social só da cintura para cima); eu arranjo-me completamente (no sentido mais simples da expressão) e sinto que, para a minha saúde mental, faz a diferença. 

06
REGRAS E PONTO
Não vivo sozinha e isso significa que é importante que quem mora comigo compreenda que o facto de estar em casa não significa que esteja disponível. Numa situação em que o trabalho em casa é dividido por quase todos, foi preponderante estabelecer algumas regras que nos permitam não interromper reuniões, não fazer barulho, decidir quem faz o almoço (...). Os horários também são importantes de ficarem delineados; tenho a sorte de trabalhar numa empresa com um horário bem definido e que se esforça de verdade para que todos os colabores o cumpram sem que ninguém saia prejudicado. Mas sei que isto não é transversal e que muitos perdem a noção das horas, presos ao trabalho. No meu caso, ter o horário bem definido ajuda-me a gerir o meu tempo para que nem a vida pessoal nem a profissional saiam a perder. 

07
PRODUTIVIDADE
Pode ser difícil manter o pico de produtividade ao longo do tempo mas algumas das coisas que faço são: nunca, sob nenhuma hipótese, trabalhar na cama (eu detesto, aliás), fazer uma lista de todas as tarefas do dia e mantê-la realista (só estamos a trabalhar em casa, não virámos a mulher elástica), começar o dia logo pela tarefa mais difícil (porque sou produtiva nas manhãs, portanto, faz sentido mergulhar nas tarefas mais exigentes quando ainda estou muito ativa), usar apps de produtividade para libertar os meus olhos do telemóvel e usar headphones para bloquear o som (não preciso de ouvir música, só preciso de me sentir na minha zona, sem distração). 

08
HIGIENE DO SONO
É muito fácil destruir a rotina de sono quando se trabalha em casa, e como eu já desenvolvi uma muito eficiente e que me faz bem, tento cumpri-la ao máximo. Levantar e deitar à mesma hora, seguir todos os passos que referi nesta publicação. Aproveito o facto de não ter de perder tempo entre deslocações para fazer outras coisas de que gosto, por exemplo. 

09
LUZ SOLAR
Estamos a aproximar-nos do inverno e, com dias mais curtos e sem deslocações, é fácil ficarmos isolados nas nossas casas sem nenhum estímulo exterior. E embora todos os cuidados sejam fundamentais para evitar contágio, a exposição solar e a vitamina D são elementos cruciais para nos mantermos saudáveis e estáveis. Aproveitar a varanda e a janela para apanhar o sol de inverno, desfrutar do jardim, ir ao supermercado a pé ou correr no parque são atividades que têm alguma segurança e que fazem a diferença para absorvermos um pouco desta vitamina tão importante e para termos algum estímulo do exterior que, por esta altura do campeonato, já está em dívida.

Partilhem os vossos métodos infalíveis de teletrabalho nos comentários. Vamos ajudar-nos nesta fase, sim?

5 comentários:

  1. Revejo-me totalmente nos teus pontos. Também estive 3 meses em teletrabalho e neste momento encontro-me na mesma situação de novo. Mas até me encaixo bem :)

    ResponderEliminar
  2. Trabalhar em casa foi para mim uma novidade, estava tão habituada ao meu ritmo no hotel que quando me deparei com um novo trabalho pensei, tanto tempo sentada não é para mim. Agora percebo que tenho de seguir algumas regras ;)

    ResponderEliminar
  3. A minha empresa dava alguma flexibilidade em termos de teletrabalho mas sempre o evitei. Preferi sempre ir fisicamente para o escritório. Este ano fomos todos forçados a ficar em casa. Não gosto, nem prefiro, mas tem de ser. A parte que mais confusão me faz é que o espaço de trabalho é o mesmo que o de lazer/família. Não gosto disso. Porém, nem tudo é mau. A parte mais benéfica é o dinheiro que se poupa no combustível e portagens. Pijama também não uso. Ando de fato de treino, mas não de pijama.

    ResponderEliminar
  4. Acho que a roupa é mesmo o ponto principal. Preciso de tirar o pijama e vestir outra coisa, mesmo que mais confortável, para entrar no modo produtivo.

    ResponderEliminar
  5. Infelizmente comecei a minha vida profissional durante a pandemia, portanto teletrabalho é a única realidade que conheço. Às vezes tenho medo de começar a cair em algumas armadilhas, especialmente no que toca a fazer pausas, porque no final do dia, eu também não sei bem o que é normal numa empresa a funcionar "normalmente". Foi muito bom ler esta publicação para ficar mais consciente de algumas coisas 😊

    ResponderEliminar

Quaisquer comentários que visem a ofender e/ou afectar a minha integridade, dos meus leitores, comentadores, bloggers ou entidades que refiro nas minhas publicações não serão aceites.

Quaisquer questões colocadas serão respondidas na própria caixa de comentários!

Muito obrigada por estares aqui :)